O líder cloroquinista poupado. Por Moisés Mendes

O líder cloroquinista poupado

Publicado originalmente no blog do Moisés Mendes

O senador bolsonarista Luis Carlos Heinze (PP-RS). Foto: Reprodução
O senador bolsonarista Luis Carlos Heinze (PP-RS). Foto: Reprodução

O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) fez, no dia da votação do relatório da CPI, o que já estava previsto até pelo presidente Omar Aziz, ao pedir o indiciamento do colega Luiz Carlos Heinze.

O senador bolsonarista foi incluído na lista, na última hora, porque passou toda a CPI defendendo de forma categórica e acintosa o uso da cloroquina, sem com notícias falsas.

Heinze espalhou fake news na CPI que combatia as fake news e que no fim pediu o enquadramento dos propagadores do remédio milagroso como criminosos.

Leia mais:

1. VÍDEO: Bolsonaro abandona entrevista na Jovem Pan após pergunta sobre rachadinha e bate boca de apresentadores

2. VÍDEO – Negacionista vai atrás de vacina após descobrir que será barrada em cruzeiro: “Preciso da Janssen”

3. Maduro chama Bolsonaro de “imbecil” e “palhaço” por associar vacina à Aids

Todos os que de alguma forma contribuíram para fazer propaganda da cloroquina e induzir as pessoas ao erro foram denunciados pela CPI.
Mas, no fim, depois de já citado, Heinze se salvou. Seu nome foi retirado, por pressão de Rodrigo Pacheco e da extrema direita.

Os que permanecem, na lista, acusados do mesmo crime, como o véio da Havan e tantos outros, podem se perguntar: o que Heinze tem que eles não têm para ser poupado pelos colegas.

Talvez tenha exatamente essa virtude: é um colega. No fim, a CPI poupou um deles, sem qualquer explicação convincente, e prevaleceu o que se chamava de espírito de corpo.

As fake news de Heinze são mais poderosas do que as de outros denunciados, não porque ele seja mais convincente, mas porque é senador.

Participe de nosso grupo no WhatsApp clicando neste link

Entre em nosso canal no Telegram, clique neste link