Líder negacionista na Argentina foi infectada pela covid. Por Moisés Mendes

Publicado originalmente no blog do autor

Por Moisés Mendes

Patricia Bullrich, uma das líderes da direita argentina, está com Covid-19. Foi ministra da Previdência de Mauricio Macri e preside o Pro, o Proposta Republicana, partido do ex-presidente.

Mas a notícia não existiria com tanto alarde nas capas dos jornais argentinos se Patricia não fosse uma das líderes do movimento contra a quarentena.

Foi ela quem puxou as passeatas do domingo 17 de agosto contra o isolamento social imposto pelo governo de Alberto Fernández. O argumento sempre foi este: a quarentena e o uso de máscara afrontam as liberdades.

Com um detalhe: no dia 17, Patricia incentivou as pessoas a saírem às ruas, mas percorreu Buenos Aires dentro de um carro. Desceu apenas uma vez, sem máscara, e foi cercada pelas pessoas.

Na linha do bolsonarismo, a direita argentina de Macri e Patricia caminha para a extrema direita. A ex-ministra é uma das mais radicais nos ataques ao governo.

Patricia vem dizendo o seguinte: “O vírus e a quarentena são uma invenção para que eles (o kirchnerismo) instalem uma ditadura socialista na Argentina”.

A líder da direita é uma espécie de Damares argentina, até na aparência.

Abaixo, o link do vídeo em que ela anuncia que está infectada:

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!