Lindsay Lohan, ou a arte de viver à beira do abismo

A atriz, que está no Brasil para promover uma marca de roupas, é um exemplo da incapacidade das estrelas adolescentes de crescer.

 

lindsay bem
Nada quem um Photoshop não resolva

 

Em uma época em que a autoindulgência de celebridades é uma forma de arte, Lindsay Lohan é um exemplo de degradação. Uma criança estrela, outrora promissora, dona de uma presença charmosa, deixou que suas sardas características dessem lugar a uma distorção visual – um rosto inchado pelo álcool, os lábios deformados por injeções de fibras colágenas, e os olhos que brilham por causa de uma enorme variedade de coquetéis farmacêuticos. Ela vive em seu mundo imaginário, das memórias do tempo em que foi um ídolo adolescente antes da vodka e da cocaína alimentarem seu inevitável declínio e queda. Agora, condenada a 90 dias de reabilitação forçada, Lindsay Lohan pode ter atingido seu limite após várias denteções por dirigir embriagada, roubar, entre outros crimes e pequenas contravenções. Exilada do mainstream de Hollywood, Lohan ocupa uma zona de penumbra perigosa.

Seu novo filme, The Canyons, dirigido por Paul Schrader, também conhecido por seus vícios do passado, pode muito bem ser a sua última chance de redenção. Embora alguns críticos tenham sugerido que seu desempenho como Tara, uma modelo / atriz à margem da indústria do entretenimento, seja o melhor trabalho de sua carreira, o filme de baixo orçamento (250 mil dólares) já foi rejeitado por alguns festivais de cinema. No entanto, a IFC, uma distribuidora importante dos EUA, acredita que a presença de Lohan, juntamente com as cenas de sexo, foram suficientes para pagar 1 milhão pelos direitos, deixando a produção no lucro.

Vai ser difícil para ela, de qualquer maneira. Lindsay é vista como uma imitação de vida, esbanjando seu talento numa maratona de excessos, perseguida de maneira inclemente por paparazzi e outros abutres das revistas de fofoca. Ao contrário de Robert Downey Jr. e Charlie Sheen, outros dois fabulosos usuários, pouca gente gosta de Lindsay Lohan.

Ela age como se pertencesse à realeza do cinema quando, na verdade, esgotou a paciência do público com seu ritual de não admitir a dependência química. Suas participações em talk-shows são um show de negação. Ela diz que a imprensa é responsável, protestando contra demônios opressores. É uma pequena ditadora em uma raiva paranóica, gritando com amigos e assessores por conspirarem contra ela. Como tantos viciados, ainda terá de bater no fundo do poço, olhar-se no espelho e tomar uma decisão a favor de si mesma.

Na chegada tumultuada a São Paulo
Na chegada tumultuada a São Paulo

Sua fama de atrasar-se no set e suas birras não a ajudam. Seu trabalho anterior, Liz e Dick, no qual interpretou Elizabeth Taylor, foi detonado pela crítica e ignorado pelo público. Mesmo The Canyons é mais notável pelas cenas de sexo entre quatro pessoas e pela estreia dramática da estrela pornô James Deen. Vai atrair a curiosidade das pessoas ansiosas em ver o quanto ela decaiu – como testemunhas de um acidente de carro correm para ver se o motorista sobreviveu à colisão a 250 km por hora.

“Um monte de gente vai se perguntar: o que aconteceu com a menina de Operação Cupido?”, Schrader me disse em uma entrevista recente. “É realmente difícil para artistas jovens. Até os 16 ou 17 anos, eles são ensinados a pensar que são perfeitos e tudo no mundo lhes pertence. E então, três anos mais tarde, alguém vem e diz: ‘Ok, vocês têm de começar de novo. E nada do que vocês aprenderam antes vai ajudá-los'”.

Lohan certamente precisa de ajuda. Mas, como Amy Winehouse e tantos outros, ela parece determinada a se destruir antes da cavalaria chegar para resgatá-la. Na noite após sua recente audiência na justiça, em que foi condenada ao rehab e a 18 meses de serviço comunitário, Lohan estava de volta ao seu bar favorito no hotel Beverly Hills, tomando vodka em garrafas de refrigerante para manter as aparências. Vestindo um moletom e um boné dos NY Yankees, Lindsay estava sentada em uma cabine VIP sozinha, desfrutando de sua autodestruição.

“Ninguém a aguenta”, me contou um alto executivo da indústria. “Lohan é uma pessoa tão desagradável… É difícil que vire uma atriz séria novamente. Ela vai se tornar uma curiosidade em reality shows ou talvez fazer uma série de TV.”

Ela se recusa a admitir que tenha algum problema com bebidas ou outras substâncias. Apesar de várias internações, sua vida continua fora de controle. “Lindsay é muito, muito infeliz, e acha que o álcool é a única saída”, diz uma amiga. “Vários anos atrás (em 2007), quando ela saiu de um centro de reabilitação, encontrou-se logo com os mesmos amigos que a ajudaram a se meter em encrencas. Você não pode ir a esses clubes noturnos e apenas beber suco de laranja o tempo todo – no fim, você quer um drinque. O que é ainda pior é que ela não entende que todos os seus melhores amigos estão de saco cheio de seu comportamento desagradável”.

Ídolo teen
Ídolo teen

Em 2006, ela quase foi demitida do set de Ela é a Poderosa porque não conseguia combinar a rotina de trabalho com a roda-viva da automedicação.

“Esse incidente deveria ter enviado sinais de alerta para Lindsay e todos ao seu redor”, disse um produtor de Hollywood. “Mas Lohan e sua mãe fingem que está tudo bem e que ela é uma menina inteligente que só precisa de mais disciplina. É um caso completo de autoilusão”.

Durante as filmagens de The Canyons, outra atriz foi contratada como dublê no caso de Lohan abandonar o filme. Ela e o diretor Schrader passaram um mês gritando e ameaçando um ao outro. Esta nova reabilitação pode ser a última chance de uma vida nova. Caso contrário, corre o risco sério de pegar penas mais pesadas e ir parar numa das prisões da Califórnia. Apesar de projetar essa imagem de descomprometida, ela é uma massa de raiva e insegurança e não sabe como pedir ajuda.

Sua espiral é semelhante à de muitas outras estrelas teen que tiveram problemas com drogas, álcool, ou ambos. Uma lista recente inclui River Phoenix, Drew Barrymore, Corey Feldman, Edward Furlong, e Macaulay Culkin. Phoenix, que atuou em Stand By Me, morreu do lado de fora de uma boate de Hollywood, em 1993, de uma combinação letal de cocaína e heroína. Feldman, seu colega no mesmo filme, foi preso por posse de heroína aos 19 anos. Culkin foi preso aos 20 e poucos por posse de maconha e Xanax. Furlong, que já foi considerado tão talentoso quanto Leonardo DiCaprio, estava na prisão por agredir a namorada.

Lindsay Lohan tem só uma escolha: crescer.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!