Live de Bolsonaro sobre novo partido revela a miséria da política brasileira. Por Fernando Brito

Jair Bolsonaro em live de Facebook. Foto: Reprodução

Publicado originalmente no Tijolaço:

POR FERNANDO BRITO

A live presidencial de ontem, na qual Jair Bolsonaro “explica” sua saída do PSL e a criação do tal “Aliança pelo Brasil” é algo que, olhado com um mínimo de seriedade, desvela toda a miséria da política brasileira.

Nenhuma palavra sobre programa de governo, sobre ideias, sobre opiniões.

É só uma questão de “amor”. A ele, é claro:

“Vou começar um partido pobre, sem dinheiro, sem televisão. Quem for para lá vai por amor. É igual casamento, a gente casa por amor”, disse aos repórteres na volta ao Palácio da Alvorada.

Amor a quê? A pergunta correta talvez seja “Amor a quem?”

Até em Hitler, além do culto ao Füher encontravam-se mais ideias: o lebensraum, o espaço vital da Alemanha, a escalada industrial do país, a afirmação alemã como potencia mundial. Aqui, mal e porcamente, sobram os esquerdistas, convertidos em neojudeus, como inimigos da Pátria que, é claro, é posta na banca da xepa.

Bolsonaro, o “mito”, não é um líder. Não agrega, não soma, não compõe.

Leva menos da metade dos seus.

Apenas porque quer exercer o poder descaradamente famili(ci)ar, está evidente.

Bolsonaro, já disse aqui, é um elemento desagregador, por isso com menos condições de empalmar um poder sobre o país que, na sua eleição, pareceu bem próximo, tão grande foi a onda conservadora na qual o ex-capitão poderia surfar.

Afinal, com um Congresso onde 80% é composto de pessoas de direita, como não pensar que pudesse?

Na “live”, segundo a Folha, reduziu a saída do partido e a criação de um novo agrupamento como uma relação conjugal:

“Boa sorte ai ao presidente do partido, boa sorte aos que apoiaram o presidente do partido bem como o antigo líder [deputado Delegado Waldir (PSL-GO), que chamou Bolsonaro de vagabundo]. Vão (sic) ser feliz todo mundo, cada um segue o seu destino. Como separação, infelizmente acontece”, afirmou .

Como assim “vai ser feliz aí, cada um segue seu destino”?

Então o presidente eleito opta por um arranjo partidário familiar, manda seus advogados ao TSE para formar um partido de Whatsapp.

E que use, se não poder usar usar a “inovação” da filiação por um aplicativo privado, que depende de dobrar o TSE a aceitá-lo, já anuncia que usará as igrejas neopentecostais para alcançar as 500 mil assinaturas necessárias para a aventura.

Estamos diante de um abuso inominável: um presidente da República usando o cargo para formar um partido.

Mais ainda, cujo “programa” é o amor incondicional a ele, Jair Bolsonaro, acima de tudo.

O rei, a quem o que resta do sistema republicano só atrapalha.

130 anos depois, a República instituída com base no Exército tem o mesmo exército a sustentar a instituição de uma monarquia trágica, na qual Jair I, o estúpido, pretende instaurar a dinastia Bolsonaro.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!