Lula, cadê os neutros que estavam aqui? Por Moisés Mendes

Atualizado em 11 de março de 2024 às 21:59
O presidente Lula concedeu entrevista ao jornalista Cesar Filho nesta segunda-feira (11). Foto: Ricardo Stuckert

Por Moisés Mendes

Declaração de Lula, em entrevista a César Filho, no SBT (foto), quando foi questionado sobre a permanência do clima de guerra entre ele e Bolsonaro:

“Essa polarização é boa, se a gente souber trabalhar os neutros, para que a gente possa construir maioria e governar o Brasil”.

Lula disse não se preocupar com a polarização, porque sempre foi assim, desde o tempo em que, a partir da segunda metade dos anos 90, passou a existir o confronto PT x PSDB.

Claro que não era a mesma coisa, até porque, como lembrou o próprio Lula, o embate agora é dele com Bolsonaro. Lula tem o PT e do outro lado o sujeito não tem nem partido. O inelegível ocupou o PL de Valdemar Costa Neto como agregado.

É a verdade, mas uma verdade com outras faces. Como a que envolve a controvérsia sobre ganhos e perdas no fato de que o presidente da República continua citando Bolsonaro e admitindo que essa é uma briga boa.

E seria boa, como está lá na frase do começo, se conseguisse atrair para a sua base, para alargar apoios, os eleitores que o próprio Lula chama de neutros.

Presidente Lula e seus eleitores. Foto: Divulgação

Só que esses neutros, que parecem indiferentes ou vacilantes em relação a posições políticas, que não votaram nem em Lula nem em Bolsonaro em 2022, porque não saíram de casa ou votaram em branco ou anularam o voto, esses neutros preocupam.

Valter Pomar, em artigo no Brasil 247, mostra que a maioria das pesquisas recentes (Quaest, Atlas e Ipec) converge para dois dados que não ajudam o raciocínio de Lula.

O primeiro dado: Lula não consegue fidelizar o apoio de sua base como deveria, nesse primeiro ano de governo. E quem pode ser considerado neutro caminha na direção da extrema direita.

Leiam o artigo de Pomar (‘O que dizem as pesquisas?’), que é longo como deve ser uma análise com a ambição da profundidade. O resumo é este: a preservação da polarização teria, até aqui, favorecido Bolsonaro.

As outras controvérsias envolvidas nas pesquisas fazem parte de outros departamentos e têm provocado debates intermináveis. Como esse de que a percepção de bem-estar das pessoas teria mudado em relação ao que era até aqui, em decorrência da amplificação da manipulação de informações pelas corporações de mídia e das mentiras difundidas pelas redes sociais.

Mas essa é uma pauta para várias semanas de discussão. Leiam o artigo de Pomar, que ajuda a esclarecer e também a fomentar mais debate.

Originalmente publicado no Blog do Moisés Mendes
Siga nossa nova conta no X, clique neste link
Participe de nosso canal no WhatsApp, clique neste link
Entre em nosso canal no Telegram, clique neste link