Lula, em carta aos brasileiros: “Ódio não é solução para nada”

Em carta aos brasileiros, o ex-presidente Lula fala da democracia como “o caminho para o país voltar a viver em paz”. Pede que os brasileiros votem em Haddad, candidato do seu partido, “o candidato que me representa nestas eleições e representa o projeto de país que nós construímos juntos.”

Lula liderava as pesquisas com folga, com a possibilidade concreta de vencer no primeiro turno, quando o TSE cassou seu direito de se candidatar, contrariando recomendação do Comitê de Direitos Humanos da ONU. Não esmoreceu.

Preso desde 7 de abril deste ano, ele tem insistido, de dentro do cárcere, na necessidade de retomar o projeto de desenvolvimento que colocou o Brasil entre as seis maiores economia do mundo, antes que os derrotados nas eleições de 2014 inviabilizassem o governo com uma pauta legislativa que visava tirar Dilma Rousseff do poder — o que acabaria acontecendo em 2016.

Lula poderia estar em prisão domiciliar, como acenaram ministros do Supremo Tribunal Federal a seu antigo advogado, Sepúlveda Pertence’, mas rejeitou, por entender que esse tipo de cárcere poderia ser interpretado como a admissão de culpa no processo em que foi condenado sem provas — o do triplex.

Jogo sendo jogado. Como se estivesse numa partida de futebol, Lula se empenha até o último minuto pela vitória, agora representado por Haddad.

É uma figura histórica sem paralelo nos anos recentes. Não perdeu a fé na democracia, apesar dos duros golpes que ele e o projeto que representa receberam nos últimos anos.

Desde que reivindicava salários melhores como presidente do Sindicato dos Metalúrgicos, Lula percebeu que a luta pelos melhores condições de vida para os trabalhadores ia muito além de sua atuação sindical.

Era preciso disputar o governo e, assumindo-o, transformar a vida das pessoas. Preso, sem direito de concorrer, Lula viabilizou a candidatura de Haddad, e é com Haddad que ele mantém viva a esperança de que o voto é a arma mais eficiente para resolver o problema das pessoas.

“Os mais jovens não conheceram o Brasil de antes dos governos do PT, mas estão vendo o que aconteceu nos dois últimos anos”, escreveu.

“Isso precisa mudar, para acabar com o sofrimento do povo. Eu sei que o sofrimento leva ao desespero, mas peço que tenham esperança, que confiem na democracia”, acrescentou.

“Vamos votar com amor. Neste domingo, vote em Fernando Haddad, para o Brasil ser feliz de novo”, finalizou.

A seguir, a carta, na íntegra:

“Meus amigos e minhas amigas,

Neste domingo, 7 de outubro, eu quero pedir um voto com muito amor pelo Brasil. Quero pedir um voto para Fernando Haddad, o candidato que me representa nestas eleições e representa o projeto de país que nós construímos juntos.

Haddad tem um compromisso comigo e com o Brasil: cuidar da nossa gente como eu gostaria de estar cuidando. Governar para todos, mas principalmente para aqueles que mais precisam de apoio para melhorar de vida. Tratar o povo como solução, criando oportunidades, emprego e renda.

Foi dessa maneira que, durante 12 anos de governos do PT, criamos 20 milhões de empregos e o valor real do salário cresceu mais de 70%. O Bolsa Família ajudou mais de 50 milhões de pessoas a ter um mínimo de dignidade. Vencemos a fome e tiramos 36 milhões da extrema pobreza.

Levamos a luz para quem vivia na escuridão e água para quem sofria com a seca. Abrimos as portas da universidade para milhões de filhos de trabalhadores, com o Prouni, o Fies sem fiador e semeando novas universidades pelo interior do país.

 Foi um tempo novo para as mulheres, os negros, os indígenas, os mais pobres, os que sempre foram discriminados e esquecidos pelos governos ao longo da história.

Os mais jovens não conheceram o Brasil de antes dos governos do PT, mas estão vendo o que aconteceu nos dois últimos anos. Um governo ilegítimo, de costas para o povo, não cria empregos, tira direitos do trabalhador, corta as verbas da saúde, da educação e da segurança pública, entrega aos estrangeiros as riquezas do país.

 

    Isso precisa mudar, para acabar com o sofrimento do povo. Eu sei que o sofrimento leva ao desespero, mas peço que tenham esperança, que confiem na democracia, pois esse é o caminho para o país voltar a viver em paz. O ódio não resolve a violência, não é solução para nada. Vamos votar com amor.

 

    Neste domingo, vote em Fernando Haddad, para o Brasil ser feliz de novo.

 

    Deus abençoe o Brasil. Um grande abraço do

Luiz Inácio Lula da Silva

 

 

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!