Lutar pelo que julgamos ser justo já nos dignifica e nos enobrece. Por Afrânio Silva Jardim

Justiça. Foto: Wikimedia Commons

PUBLICADO NO EMPORIO DO DIREITO 

POR AFRÂNIO SILVA JARDIM

Começamos com uma espécie de “palavra de ordem”: abaixo o conformismo” !!!

A luta pelo Estado Democrático de Direito deve ser travada a todo tempo e em todos os lugares, tendo em vista a lastimável situação em que nos encontramos atualmente.

Lutar pelo que julgamos ser justo já nos proporciona uma grande felicidade.

Não podemos nos abater pelo pessimismo. Não podemos “jogar a toalha” …

Este comportamento conformista só serve aos nossos adversários. A “luta” tem de ser permanente. Não podemos nos entregar … A “luta”, por si só, nos dá razão para viver.

Lutar pelo que julgamos ser justo já nos dignifica e nos enobrece perante as futuras gerações.

Pensemos em quantos companheiros idealistas morreram e foram torturados lutando por uma sociedade mais justa. Certo ou errado deram as suas vidas pelos outros, por uma nova ordem econômica, uma nova cultura.

Quando menos se espera, o povo desperta e passa a ser agente de sua própria história.

Enquanto houver injustiça neste mundo, haverá quem lute contra ela. Enquanto houver injustiças neste mundo, o explorador não terá sossego.

A rebeldia é inerente ao ser humano. Não existisse a rebeldia e ainda estaríamos dentro das cavernas.

A evolução da humanidade se deve muito às transgressões das normas impostas pelo poder dominante.

Se não houvesse o comportamento “marginal”, a sociedade não teria evoluído. Falo “marginal” no sentido de agir questionando o status quo. Vale dizer, agir à margem das regras injustas, impostas por quem detém o poder político em determinado momento histórico.

O chamado “Estado Liberal” é a expressão política do massacrante poder econômico.

No momento atual, devemos apenas lutar por um verdadeiro Estado Democrático de Direito. A luta por um modelo de sociedade mais justo virá depois, reunidas as condições objetivas que permitam rupturas e transformações estruturais.

Temos que lutar permanentemente contra o autoritarismo, contra o massacre do poder econômico, contra a retirada de direitos da população, contra o racismo, vale dizer, contra o fascismo.

Lamentavelmente, parece que a nossa sociedade está “anestesiada”, passiva e desalentada. A própria “comunidade jurídica” deixou-se contaminar pelo individualismo e pelo conservadorismo.

Entretanto, como diz a conhecida música “Todo Cambia”, de Victor Heredia, cantada pela saudosa Mercedes Sosa:

Cambia lo superficial
Cambia también lo profundo
Cambia el modo de pensar
Cambia todo en este mundo”.

Para finalizar, invoco aqui o pensamento de Eduardo Galeano:

“SI ME CAÍ, ES PORQUE ESTABA CAMINANDO
Y CAMINAR VALE A PENA AUNQUE TE CAIGAS”.
(Se eu caí, é porque estava caminhando e caminhar vale a pena ainda que venhamos a cair).

“A UTOPIA ESTÁ NO HORIZONTE. ME APROXIMO DOIS PASSOS, ELA SE AFASTA DOIS PASSOS. CAMINHO DEZ PASSOS E HORIZONTE CORRE DEZ PASSOS. POR MAIS QUE EU CAMINHE, JAMAIS A ALCANÇAREI. PARA QUE SERVE ENTÃO A UTOPIA? SERVE PARA ISSO: PARA QUE EU NÃO DEIXE DE CAMINHAR”.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!