Manifestações em todo o mundo condenam ataques de Israel contra Gaza

Stop the War Coalition/Reprodução
Milhares de pessoas foram às ruas de Londres no dia da Nakba

Originalmente publicado em OPERA MUNDI

Milhares de pessoas em diversos países do mundo saíram às ruas neste sábado (15/05) para manifestar apoio à Palestina e protestar contra os recentes ataques de Israel à Faixa de Gaza.

Atos foram registrados nas principais cidades da Europa como Paris, na França, Madri, na Espanha, Londres, no Reino Unido, e Berlim, na Alemanha.

As hostilidades do governo israelense contra os palestinos entraram no 6º dia consecutivo neste sábado. Pela manhã, o país bombardeou e destruiu um edifício de 12 andares em Gaza que, além de ter apartamentos residenciais, abrigava escritórios da emissora Al Jazeera e da agência norte-americana Associated Press.

VEJA – VÍDEO: Israel destrói edifício sede de veículos de imprensa em Gaza

Além de ocorrer em meio aos bombardeios israelenses contra palestinos, os protestos de hoje ganham mais uma importância já que ocorrem no mesmo dia da Nakba, palavra árabe que significa “catástrofe” e marca a expulsão do povo palestino de seus territórios durante a fundação do Estado de Israel, em 1948.

Massivos protestos foram registrados em diversos pontos de Jerusalém Oriental e outras cidades que repudiaram os ataques israelenses. Milhares de palestinos foram reprimidos pela polícia de Israel, episódios que vêm ocorrendo desde o início dos bombardeios contra Gaza.

Na capital da França, a polícia reprimiu manifestações a favor da Palestina no bairro de Barbés, zona norte de Paris. As autoridades dispararam canhões de água e gás lacrimogêneo nos participantes dos atos.

Palavras de ordem como “a Palestina viverá”, “a Palestina ganhará”, e “Israel assassino” foram entoadas pelos manifestantes.

Já em Londres, milhares de pessoas se reuniram no centro da cidade para exigir que o governo britânico intervenha na situação e interrompa os ataques israelenses. Os manifestantes se concentraram em Marble Arch, de onde marcharam até a embaixada israelense, entoando palavras de ordem e pedindo “libertação” da Palestina.

“O governo britânico é cúmplice desses atos, quando oferece apoio militar, diplomático e financeiro a Israel”, disse um dos organizadores do ato à agência AFP.

Algumas organizações que convocaram os protestos na Inglaterra foram a coalizão Stop the War e a associação muçulmana do Reino Unido. Segundo dados desses coletivos, as manifestações deste sábado reuniram 150 mil pessoas em Londres.

Na Alemanha, atos foram registrados em algumas cidades. O maior deles aconteceu na capital, Berlim. Ao menos três manifestações ocorreram em diferentes pontos da cidade.

Milhares de pessoas se concentraram em Hermannplatz, a praça central do bairro de Neukölln, zona sul de Berlim, onde bandeiras palestinas foram hasteadas e cartazes com os dizeres “marcha do povo palestino pela libertação e pelo retorno” foram carregados.

Palavras de ordem como “libertem Gaza!”, “vidas palestinas importam” e “salve Sheikh Jarrah”, também foram entoadas por manifestantes.

Cerca de 2,5 mil pessoas protestaram em Madri, capital da Espanha, contra os ataques de Israel a Gaza. “O silêncio de uns é o sofrimento de outros”, “Jerusalém, a capital eterna da Palestina” e “não é uma guerra, é um genocídio” foram algumas palavras de ordem entoadas e escritas em cartazes pelos manifestantes.

Centenas de pessoas ainda marcharam em direção à Estação Atocha, na praça do Sol, a maior estação de trens da cidade espanhola. “Eles estão nos massacrando. Estamos em uma situação em que o Nakba (a catástrofe, em árabe) continua no século 21”, disse um dos manifestantes à AFP.

Ainda na Europa, centenas de pessoas foram às ruas em Varsóvia, capital da Polônia, para protestar em frente à embaixada de Israel no país. Os manifestantes pediam o fim do “holocausto dos palestinos”, gritando palavras de ordem como “Jerusalém, a capital da Palestina” e “Palestina Livre”.

Protestos também foram registrados na Tunísia, onde centenas de manifestantes se reuniram no centro de Túnis e marcharam na Avenida Habib Bourguiba. “Tunisianos e tunisianas, apoiem a Palestina!” e “o povo quer criminalizar a normalização com Israel!” foram algumas palavras de ordem ouvidas durante as marchas.

“Quando se trata dos massacres contra os palestinos, as potências internacionais permanecem silenciosas e indiferentes diante dos crimes sionistas”, afirmou uma das manifestantes à AFP.

No Brasil, um ato ocorreu em frente à embaixada da Autoridade Palestina, em Brasília, para mostrar apoio aos palestinos e condenar os ataques de Israel contra Gaza.

Ahmed Abou Al Ghaite, secretário-geral da Liga Árabe, participou do ato e condenou a ocupação israelense nos territórios palestinos. “Por que essa ocupação não acaba? O direito internacional não está sendo respeitado por parte de Israel”, disse.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!