Manuela D’Ávila precisava ter ido ao beija mão do general Villas Bôas? Por Kiko Nogueira

Manuela D’Ávila fica devendo a seu eleitorado — não só, mas principalmente a seu eleitorado — uma explicação razoável para sua “ótima conversa” com o general Villas Bôas.

Manuela — um bem vindo sopro de renovação na esquerda brasileira —  contou que atendeu ao convite e que aproveitou para reafirmar “a convicção do PCdoB” num novo projeto que envolve a “soberania nacional” (é confuso, mesmo).

Precisava, Manuela?

O que ela possivelmente ganha com o papo de Villas Boas e o retrato? Nada.

É bom para ele, que posa de democrata (está recebendo todos os candidatos para mostrar, ao fim e ao cabo, seu poder).

Ela perde a oportunidade de marcar diferença e posição, já que seus concorrentes todos toparam a parada.

Bastaria declinar educadamente do beija mão.

Villas Bôas é aquele que, em abril, chantageou o STF na véspera do julgamento do habeas corpus impetrado pela defesa de Lula.

Nas redes sociais, escreveu o seguinte: “Nessa situação que vive o Brasil, resta perguntar às instituições e ao povo quem realmente está pensando no bem do país e das gerações futuras e quem está preocupado apenas com interesses pessoais?”.

Em seguida: “Asseguro à Nação que o Exército Brasileiro julga compartilhar o anseio de todos os cidadãos de bem de repúdio à impunidade e de respeito à Constituição, à paz social e à democracia, bem como se mantém atento às suas missões institucionais”.

Em julho, declarou que, se as Forças Armadas “tiverem de intervir, será para fazer cumprir a Constituição, manter a democracia e proteger as instituições”.

E por aí vai.

Precisava, Manuela?

 

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!