Médico de Kalil, citado por Bolsonaro na TV, diz que estudos não comprovam eficácia da cloroquina

Roberto Kalil Filho | Divulgação

Depois de expor David Uip, espalhando por meio de sua milícia digital uma receita na qual ele prescreve a cloroquina, e com isso causar um constrangimento enorme, Bolsonaro envolveu outro importante médico brasileiro na sua cruzada doentia para se tornar o pai do ‘elixir’ que vai salvar o brasileiro da maldição do coronavírus.

Uma cavalgada insana, com sequências que acabam caindo na piada dada a tendência do nosso povo de rir de tudo.

Nem bem terminou seu pronunciamento na TV, nesta quarta, 8, Bolsonaro teve de ouvir do pneumologista Carlos Carvalho, que cuidou de Roberto Kalil, que não concorda com o uso do remédio para todos os casos.

“Cientificamente, estou certo de que ainda não há estudos que comprovem a eficácia da cloroquina”, disse Carvalho à Folha.

O cardiologista Roberto Kalil, do hospital Sírio-Libanês, tomou cloroquina em seu tratamento contra o coronavírus mesmo com a resistência de um de seus médicos, Carlos Carvalho, da mesma instituição.

O pneumologista diz que Kalil perguntou, após conversar com outros membros da equipe médica, se deveria incorporar a cloroquina. Carvalho respondeu que não concorda com o uso do remédio para isso no momento, mas que não se oporia ao colega. “Cientificamente, estou certo de que ainda não há estudos que comprovem a eficácia da cloroquina”, diz Carvalho.

“Não há como dizer que foi a cloroquina que ajudou o Kalil. Ele tomou outros remédios além dela”, completa. “Eu mesmo tive coronavírus, tomei Novalgina e outros remédios e estou curado. Vou dizer que a Novalgina cura coronavírus?”

Carvalho, 66, faz parte de grupo de risco, foi contaminado pelo coronavírus e curou-se sem cloroquina. “Se amanhã os estudos mostrarem que a cloroquina é eficaz, vou receitar aos pacientes. Por enquanto nada disso foi apresentado”, afirma.

Mas ele ressalta que existe também o lado emocional, e então ele tem conversado com pacientes caso a caso para decidir se aplica ou não a cloroquina. Ele diz que não acha arriscado o uso da substância, já que os efeitos colaterais são pequenos.

Nesta quarta-feira (8), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) saudou Kalil em seu pronunciamento, pela decisão de ter declarado que se tratou com cloroquina e por dizer que está usando o remédio em seus pacientes.

Ao Painel Carvalho disse que não viu o pronunciamento. Informado de que o presidente disse que a decisão de Kalil poderia salvar milhares de vidas, ele disse não saber se procede.

“Não sei dizer. Não digo que está errado quem prescreve. Mas acho que ainda não temos estudos científicos o suficiente para receitar cloroquina para todo mundo”, diz.

“Você pode gerar uma situação em que a pessoa contaminada com coronavírus acha que tem que conseguir cloroquina e, se não conseguir, fica desesperada, quando ainda não é certo que esse é o método eficaz”, conclui.

(…)

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!