Médicos cubanos chamados de “escravos” por Bolsonaro tinham renda maior que 99% dos brasileiros “livres”

Cubanos do Mais Médicos se despedem do Brasil

Publicado originalmente na Carta Campinas

Após o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) dizer que os médicos cubanos são ‘escravos’, o jornalista Gilberto Dimenstein foi atrás de dados para fazer um comparação entre a renda do médico cubano e a renda dos brasileiros ‘livres’.  (E olha que Dimenstein é um jornalista que acreditava que Sérgio Moro era juiz de verdade!, pelo menos até ganhar um cargo no governo Bolsonaro)

Dimenstein chegou a conclusão de que os médicos cubanos pertenceriam economicamente a classe mais rica do Brasil, ou seja, ao 1% mais rico.

Apesar de muito alta, a relação ainda deixou de fora o custo de vida em Cuba e no Brasil, o que aumenta ainda mais a riqueza do médico ‘escravo’ cubano em relação ao brasileiro ‘livre’.

O jornalista lembra que um médico cubano que vem ao Brasil trabalhar ganha salário mensal de R$ 3 mil líquidos – ou seja, já descontados os impostos. Também recebe casa e comida grátis, bancadas pelas perfeituras brasileiras. “Portanto, a renda líquida do médico cubano giraria no mínimo em torno de R$ 8 mil. Para um brasileiro ganhar essa renda líquida seria necessário um salário em torno de R$ 10 mil mensais – o que o coloca na classe A. Ou seja, os mais ricos”, diz Dimenstein.

Ele lembra que segundo o IBGE, a Renda média do brasileiro foi de R$ 1.268 em 2017; “Menos de 1% da população brasileira é rica. Isto significa que 1,5 milhão de pessoas ganha mais de R$ 8 mil (precisamente R$ 8.518,04). O salário médio per capita de uma família rica, desde que as quatro pessoas trabalhem, é de R$ 2.129,51. Ou seja, o “escravo” cubano faz parte de 1% mais rico do Brasil“, mostra Dimenstein.

Mas isso é só o começo da conversa comparativa entre os médicos cubanos ‘escravos’ e os brasileiros ‘livres’. O custo de vida em Cuba chega a ser 10 vezes menor do que o preço do custo de vida no Brasil. Um salário mínimo em Cuba gira em torno de 30 dólares enquanto no Brasil é de 265 dólares. Ao levar esser recursos para Cuba, os médicos ‘escravos’ se tornam ainda mais ricos.

E há mais diferenças: os médicos ‘escravos’ têm as melhores escolas e faculdades do país e os melhores hospitais e tratamentos gratuitamente. Ou seja, esse salário de R$ 3 mil em Cuba se torna um super-salário.

Vale lembra que o presidente eleito Jair Bolsonaro votou a favor da chamada Reforma Trabalhista, que retirou direitos dos trabalhadores brasileiros que ganham um salário mínimo.

Só para lembrar, um salário mínimo no Brasil não permite pagar nem plano de saúde e nem escola particular para os filhos. Mas é um valor que permite ser livre para sonhar que um dia ficarão ricos.

Acompanhe as publicações do DCM no Facebook. Curta aqui.

Clique aqui e assine nosso canal no youtube

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!