Médium das estrelas não é mais de Deus e nem espírita. Por Vanderlúcio Souza

João de Deus e Chico Xavier (Foto: Reprodução)

Publicado originalmente no blog Ancoradouro

POR VANDERLÚCIO SOUZA

O médium conhecido como João de Deus já foi acusado de sedução de menor, atentado ao pudor, contrabando de minério e até assassinato, segundo o jornal O Globo, mas  nada disso conseguiu  demovê-lo do glamouroso posto  de guru das celebridades e de uma dezena de personalidades políticas. Até dezembro deste ano era um nome blindado e ovacionado, considerado o terceiro espírita mais influente do Brasil depois de Chico Xavier e Divaldo Franco.

Em 2012, uma austríaca morreu na Casa Dom Inácio,em Abadiânia, Goiás, centro onde  João de Deus era o líder espiritual. Matérias  publicadas em grandes sites sobre o assunto sequer citaram o nome do médium. A mulher teria ido ao centro para ser atendida por João de Deus, mas acabou falecendo. Mesmo com a retirada do corpo da estrangeira chamando a atenção da polícia, pois foi resgatada por um carro descaracterizado, segundo informação de um funcionário da funerária, o caso não foi para frente. Fez-se o mais absoluto silêncio.

João começou no espiritismo aos 14 anos, depois de procurar um Centro Espírita e logo na primeira sessão incorporar um espírito. Decidiu-se instalar em Abadiânia por um pedido de Chico Xavier, segundo ele, “o papa do espiritismo”. “Um pedido dele era uma ordem”, contou em uma longa entrevista de perfil à Revista Galileu. Teve encontro com espíritas renomados como Gerônimo Candinho e com os familiares de Eurípedes Barsanulfo, muito conhecido no meio.

O cirurgião dentista Antonio Cesar Perri de Carvalho exerceu conta no site “Grupo Chico Xavier” que durante o exercício de Presidente  da  Federação Espírita Brasileira- FEB, no biênio 2013-2014, recebeu visitas de pessoas vinculadas às equipes da Casa de Dom Inácio. Segundo ele, “algumas providências foram agilizadas, como o atendimento pela Editora EDICEI de livros espíritas [editora da FEB] publicados em vários idiomas, para comercialização pela Livraria Lápis de Luz, pois há muitos estrangeiros visitando o local de atendimento de João de Deus”. Ainda de acordo com Perri, “outro fato foi efetivação de contratos com a Casa Dom Inácio para licença de impressão e de tradução de livros editados pela FEB”.

Depois da avalanche de denúncias por algumas centenas de mulheres sobre abuso sexual, a FEB declarou em nota que “João de Deus  não é espírita”. Somente quarenta anos depois de atendimentos individuais  do médium é que a federação vem alertar para essa prática. “A FEB não recomenda a atividade de médiuns que atuem em trabalho individual, por conta própria”. A nota não comenta nada se nesta gestão existem contratos comerciais entre o Centro Dom Inácio e a FEB, como informado por Perri.

A declaração parece  simplista para o leigo que não entende como a pessoa, cuja história de iniciação remete ao espiritismo e  sua prática atual é similar às do movimento tais  os passes, mediunidade, incorporação de espíritos,mas não é espírita. Seria importante maior empenho da federação em expor quem eles julgam deturpadores de sua doutrina, para livrar a sociedade dos lobos em pele de ovelha enganando-as por tempo tempo.

Importante também seria um posicionamento em massa dos artistas e personalidades que ajudaram a tornar o médium conhecido mundialmente repudiando as práticas criminosas. Até o momento poucos se manifestaram sobre o caso, como Xuxa e a atriz Alessandra Maestrini. Já visitaram João de Deus as estrelas Giovanna Antonelli, Juliana Paes, Grazi Massafera, Camila Pitanga, Luciana Gimenez, Cissa Guimarães, Isabella Santoni, Paula Burlamaqui, Bárbara Paz, Bruna Lombardi, Carlos Alberto Riccelli, Fábio Assunção,  apresentadora Oprah Winfrey, que além de um atendimento o entrevistou, e da top model Naomi Campbell.

Contudo, silêncio ainda maior por parte dos artistas  foi feito no escândalo protagonizado pelo guru Sri Prem Baba, mas isso é assunto para outra postagem.

Esclarecendo

O Centro em que João de Deus atendia leva o nome do santo católico Inácio de Loyola, fundador da Companhia de Jesus, conhecida mundialmente como Ordem dos Jesuitas, da qual faz parte o Papa Francisco. Para a doutrina católica o espiritismo é incompatível pois sua ortodoxia nega a possibilidade de reencarnação e a invocação dos mortos. Portanto, esse espírito Inácio de Loyola que o médium João de Deus diz incorporar trata-se de qualquer entidade espiritual, menos do grande santo católico cujos ensinamentos nada tinham a ver com esse movimento espiritualista que ganhou força no Brasil graças a alguns meios de comunicação e celebridades do meio artístico.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!