Messi é o novo Garrincha

Como Garrincha, Messi dribla sempre para um lado só, mas ninguém consegue segurar.

163569089_crop_exact
Messi.

Ladies & Gentlemen:

O primeiro gol de Messi ontem contra o Milan é, desde já, o gol mais bonito de 2013, mesmo que estejamos ainda em março.

Ninguém anotará um tento como aquele nos próximos meses. Mesmo Chrissie, minha esposa azeda e neurastênica que discorda de mim em tudo, haverá de concordar com minha previsão.

Ladies & Gentlemen: erroneamente, comparam Messi a Pelé. O certo é compará-lo a Garrincha, que Boss me informa ter sido, para alguns comentaristas brasileiros, melhor que Pelé.

O que Garrincha e Messi têm em comum? Essencialmente, o repertório, composto de uma única jogada – mas letal, indefensável. Enganar o marcador sempre com o mesmo truque: sair sempre mesmo lado.

Messi rompe para a esquerda, sua perna boa. Garrincha rompia para a direita, sua perna boa. Grandes marcadores sabiam tão bem quanto eu e você o que eles iam fazer, e mesmo assim nada conseguiram fazer para detê-los.

A diferença é que Messi finaliza e faz ele mesmo o gol. Garrincha servia seus companheiros.

Três contra Garrincha
Três contra Garrincha

E os tempos também são outros. Garrincha terminou na miséria, bêbado, desprezado, o joelho destruído pelas injeções com as quais seu time, o Botafogo, o punha em campo para ganhar dinheiro em excursões.

E Messe daqui a pouco pode comprar a Espanha, pelo visto.

Sincerely.

Scott

Tradução: Erika Kazumi Nakamura

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!

Compartilhar
Artigo anteriorOs leitores do Diário elegem o rei do atraso
Próximo artigoPor que o nome Francisco foi tão bem escolhido
Avatar
Aos 53 anos, o jornalista inglês Scott Moore passou toda a sua vida adulta amargurado com o jejum do Manchester City, seu amado time, na Premier League. Para piorar o ressentimento, ele ainda precisou assistir ao rival United conquistando 12 títulos neste período de seca. Revigorado com a vitória dos Blues nesta temporada, depois de 44 anos na fila, Scott voltou a acreditar no futebol e agora traz sua paixão às páginas do Diário.