‘Meu pai, Salim Miguel, era adepto do comunismo, segundo sua ficha no SNI’. Por Luis Felipe Miguel

Publicado originalmente no perfil do autor

Por Luis Felipe Miguel

Salim Miguel, pai de Luis Felipe Miguel – Foto: Edu Cavalcanti/Arquivo/ND

Outro dia recebi uma cópia da ficha do meu pai na agência de Curitiba do SNI. Ele já estava morando no Rio, mas a ficha é fruto de informantes catarinenses.

Começa assim: “Salim Miguel é elemento adepto do comunismo”. Acredito que esse “elemento”, enfiado no meio da frase, é para comprovar que a ficha foi mesmo escrita por um polícia.

Tem um monte de informações públicas, todas encimadas por um carimbo de “secreto”, e também vários erros. Boa parte do material trata de tentativas para demiti-lo da Agência Nacional (antecessora da EBC). Por isso se batem várias figuras, em especial o general Álvaro Veiga Lima.

Um telegrama de Golbery, endereçado a Lima, nega a demissão, já que “Adonias é de opinião de que pode controlar perfeitamente o problema”. A pressão pela demissão volta, no entanto, depois do AI-5.

O citado por Golbery é o escritor baiano Adonias Filho, então chefe da Agência, um daqueles que apoiaram a ditadura mas achavam que podiam minimizar suas consequências. Salim sempre foi grato a ele.

A ficha faz breves perfis de pessoas com quem Salim conversava em Florianópolis. De um deles, se diz: “O sr. Tancredo é de indumentária e corte de cabelo ‘pra frente’”.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!