“Moçambique e Angola falam português por sorteio”: boçalidade de Bolsonaro sobre escravidão vira piada em Portugal

“Conhece a do português e do escravo?”

O Diário de Notícias, um dos principais jornais de Portugal, repercutiu a declaração imbecil de Jair Bolsonaro no Roda Viva acerca da escravidão no Brasil.

“O português nem pisava na África. Foram os próprios negros que entregavam os escravos”, disse JB, repetindo uma tese sem pé nem cabeça bastante popular entre racistas de armário da internet.

Diz o Diário:

O candidato do PSL, tido como ideologicamente próximo da extrema-direita, negou ter qualquer dívida para com os negros diante da escravatura. “Dívida histórica? Eu nunca escravizei ninguém na minha vida”, afirmou o capitão do Exército na reserva.

“Somos misturados no Brasil, o negro não é melhor do que eu e eu não sou melhor do que o negro, na Academia Militar vários negros formaram-se comigo, alguns abaixo de mim e outros acima de mim, para quê quotas?”, adiantou no mesmo programa.(…)

Os portugueses, assim como outras nações europeias, participavam ativamente do comércio de escravos na África e estabeleceram feitorias no continente a partir do século XV. Mais tarde, os portugueses colonizaram áreas na África – tanto que, atualmente, cinco países africanos têm o português como língua oficial, Angola, Moçambique, Guiné Bissau, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe.

Estima-se que 4,8 milhões de africanos foram trazidos para o Brasil por europeus entre os séculos XVI e XIX, descontando os que morreram durante o transporte. Junto com o Caribe, o Brasil foi o principal destino do tráfico negreiro no período.

O mais divertido é a reação dos leitores portugueses, tendo que lidar com os os bolsominions que invadem a área de comentários para defender seu mito.

A nossa cavalgada como piada mundial segue firme e forte:

  • “Claro que sim, foram os pretos que venderam os pretos para que os brancos pudessem ter pretos a trabalhar no lado oeste do Atlântico, os pretos é que tiveram a delicadeza de ir ali a Carcavelos entregar os seus filhos. O período colonial português, que por acaso, seria o mais longo dos países europeus, assim como as alterações climáticas, é um mito, e Moçambique e Angola falam português por sorteio”.
  • “Tal como noutras paragens, na Europa e no Brasil há uma horda de populistas, racistas e pró-fascistas cujo objectivo político é o de tentar branquear a história através da mentira e do incitamento ao ódio. Espero, que o Deus Pai Eterno, todo poderoso, não lhes permita nunca alcançar esse propósito já que isso só pode conduzir a mais guerras e derramamento de sangue.”
  • “Quando alguém defende essa criatura e ainda por cima comenta o nível cerebral dos outros, acho fantástico… Infelizmente é comum entre os defensores dele. Você será de Goiás, segundo o seu perfil. Só falta dizer que é evangélico, seria a cereja no topo do bolo. Aliás, ele é apoiado pela nojenta da bancada evangélica e isso é pouco falado aqui em Portugal e devia, até pela invasão que por aqui acontece há anos.”
  • “Acho uma piada desculpar o papel de Portugal…. os negros vendiam alguns dos seus escravos… mas os brancos é que os compravam e exploravam…. se não fizessem isso não havia tráfico de escravos..simples e claro…. e Portugal não precisa de um analfabeto como este para.ensinar o que quer que seja… fiquem com ele no Brasil e não incomodem…. se quiserem vir para cá força… somos um país civilizado, tolerante e acolhedor… mas sobretudo bem formado.”
  • “Mais um trump que se prepara para mais uma eleição dos fachos de serviço, desta vez no brasil… parece que ninguém aprendeu as lições da história por esse mundo, mas talvez o sofrimento provocado por esses fachos possa ensinar mais que a história, o problema é que são os inocentes que mais sofrem, em vez dos seus eleitores.”

 

 

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!