Modelo para Eduardo Bolsonaro, a Indonésia matou mais de meio milhão de acusados de “comunismo”. Por Kiko Nogueira

Eduardo Bolsonaro, e o pai, Jair Bolsonaro (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agencia Brasil)

Em entrevista ao Estadão, o deputado federal reeleito Eduardo Bolsonaro contou que vai lutar para tipificar como terrorismo os atos do MST.

“Se for necessário prender 100 mil, qual o problema?”, questionou o filho de Jair, que deseja transformar o comunismo em crime.

“É uma proposta que eu gostaria que fosse adiante, mas que depende de renovação do Congresso”, falou.

“É seguir o exemplo de países democráticos, como a Polônia, que já sofreu na pele o que é o comunismo. Outros países também proibiram, como a Indonésia”.

O exemplo da Indonésia, citado por Eduardo, é ilustrativo de sua mentalidade.

Entre 1965 e 1966, o Exército acusou o Partido Comunista de estar por trás do assassinato de generais e perseguiu todas as pessoas suspeitas de pertencer ou simpatizar com a organização.

A onda de repressão resultou na morte de mais de meio milhão.

O massacre foi considerado pelo Tribunal Popular Internacional de Haia, 50 anos depois, como um dos maiores genocídios do século 20, crime contra a humanidade.

Parte dessa história está contada em uma dos melhores documentários políticos já produzidos: “O Ato de Matar”.

Está na Netflix. Concorreu ao Oscar e perdeu injustamente, mas já havia faturado outros 35 prêmios internacionais de renome.

Werner Herzog, o cineasta alemão, documentarista de gênio, afirmou que é o filme mais surreal a assustador que ele já viu em uma década.

O diretor dinamarquês Joshua Oppenheimer acompanha Anwar Congo, herói nacional, avô, velhinho de anedota e chefe de um antigo esquadrão da morte.

Após o golpe em que o general Suharto destituiu o populista Sukarno, milícias de extrema-direita se dedicaram a perseguir adversários.

O morticínio se espalhou da capital Jakarta até Bali e a ilha de Java. Crianças, mulheres, idosos — ninguém foi poupado.

Os assassinos nunca foram julgados. Aos poucos, foram absorvidos pelos sucessivos governos. O grupo paramilitar Pemuda Pancasila continua na ativa, promovendo festas com a participação de autoridades. Os livros tratam os justiceiros com carinho.

Openheimer fez um filme dentro do filme. A certa altura, ele sugere a Anwar que faça uma reencenação de suas execuções.

Anwar, como seus comparsas, é fã do cinema americano (eles eram chamados de gangsters, apelido que transformaram, numa tradução oportunista, em “homens livres”). Foi em Hollywood que Anwar se inspirou para aprender a estrangular comunistas com fios de arame.

Ele topa o desafio do diretor. O resultado é uma extravagância visual digna de um Cecil B. De Mille pervertido, com cenas no “paraíso” em que vítimas encontram algozes em meio a anjos coloridos, atrás de cachoeiras.

Tem-se a impressão de que Anwar adquiriu algo parecido com arrependimento. O simpático ancião precisa de música, dança, bebida e maconha para expiar seus pecados.

Um antigo colega o admoesta: “Você está assim porque sua mente é fraca. Isso tudo é apenas um desequilíbrio nervoso”. Os assassinos jogam golfe e se divertem. Um deles quer que suas memórias também sejam dramatizadas. Ele era criança quando um homem foi arrastado da cama às 3 da manhã.

A mulher e os filhos gritavam, desesperados. No dia seguinte, o sujeito foi encontrado ao lado de um barril.

A família o enterrou na estrada “como uma cabra”. O homem, ele admite, era seu padrasto. Seu relato não serve para o filme, dizem Anwar e seus colegas da repressão, porque faltava emoção.

“O Ato de Matar” foi proibido pelas autoridades locais. Consagrado mundialmente, acabou banido. “Isto não é apropriado, é sem cabimento. Deve ser lembrado que a Indonésia passou por uma reforma. Muitas coisas mudaram. A percepção das pessoas não devia ser tão influenciada por apenas um filme”, declarou um porta-voz do governo.

Oppenheimer foi acusado de trair a amizade dos personagens.

“Quando essa comunidade de sobreviventes me deu autorização para filmar suas justificativas e suas bravatas, eu estava tentando expor a natureza da impunidade”, afirmou.

Esse é o sonho de Eduardo Bolsonaro para o Brasil.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!