Moro é o Posto Ipiranga de Álvaro Dias. Por Kiko Nogueira

Álvaro Dias e Sergio Moro

A nota de Sergio Moro sobre o “convite” de Álvaro Dias para o ministério da Justiça, lançado no debate da Band, é dúbia, para utilizar um eufemismo.

“Reputo inviável no momento manifestar-me, de qualquer forma e em um sentido ou no outro, sobre essa questão, uma vez que a recusa ou a aceitação poderiam ser interpretadas como indicação de preferências políticas partidárias, o que é vedado para juízes”, diz.

Não foram poucas as situações em que Moro facilitou “interpretações de preferências políticas partidárias”. Bastam as fotos com tucanos em convescotes.

Moro está para Álvaro como o economista Paulo Guedes para Jair Bolsonaro: é o Posto Ipiranga do candidato.

No lançamento de sua candidatura, ele prometeu a mesma coisa, estendendo o afago à Lava Jato.

“Quero prestar uma homenagem à República de Curitiba, onde nasce uma nova Justiça nesse país”, discursou. 

Esse blábláblá demagógico foi usado ad nauseum na TV.

Fantasiado de Sergio Moro (todo de pertinho básico), Álvaro repetia a cada 2 minutos que havia invitado o magistrado para seu ser titular na pasta da Justiça.

Na última dessas investidas, acrescentou uma enigmática “seleção de juristas”.

A relação de Moro e Álvaro é antiga e passa pela amizade em comum com Joel Malucelli, ex-suplente do senador do Podemos, cuja empreiteira foi alvo de mandados de busca e apreensão da 49º fase da Lava Jato.

A mulher de Moro, Rosângela, recorreu a Álvaro em 2017 para tentar emplacar um projeto de lei que garante um fundo de reservas para unidades da Apae.

Seja ou não uma venda casada, a dobradinha tem tido um resultado pífio.

Na Band, Álvaro só perdeu para o cabo Daciolo em matéria de ridículo.

Seu ricto facial, resultado provável de uma plástica mal feita, gerou uma enxurrada de comparações com o Coringa do Batman, Fabio Junior e Gretchen.

Em todas as pesquisas, Álvaro patina nos 3% e nada, absolutamente nada, indica que saia dessa draga.

O jeito vai ser chamar Deltan Dallagnol para o Ministério da Saúde. Nada que um jejum não resolva.

Acompanhe as publicações do DCM no Facebook. Curta aqui.

Clique aqui e assine nosso canal no youtube

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!