Moro/Huck ou Huck/Moro? Não importa. Por Fernando Brito

Luciano Huck e Sérgio Moro.. Foto: Reprodução/Twitter

Publicado originalmente no blog Tijolaço

POR FERNANDO BRITO

Fábio Zanini, na Folha, noticia que Sergio Moro e Luciano Huck tiveram um longo encontro no final de outubro, tramando uma associação – nome melhor que aliança, pois ambos não representam forças orgânicas na política – com os olhos nas eleições de 2022.

Moro está órfão, desde que deixou o governo Bolsonaro; Huck, depois do sou-não sou candidato deixou de ser a novidade que aspirava ser em 2018.

O primeiro deixou a condição de juiz que o projetou; o segundo reluta em deixar os programas de televisão e a publicidade que lhe deram fama e fortuna.

Os dois, porém, não contam com partidos ou articulações políticas para associarem-se numa aventura eleitoral: contam com a força da Rede Globo de Televisão.

Mas a própria Globo enfraqueceu-se pela ação do monstro que ajudou a criar, na ânsia de destruir a esquerda.

Certamente ela própria relutará em encampar a aventura de seus enfants-gatés, porque não lhe interessa ampliar a hostilidade que enfrenta, agora, à direita, antes restrita à esquerda.

Não vai embarcar facilmente numa “dobradinha” que vai virar, por todos os lados, uma “globadinha”.

Com seu futuro em cheque, vai pendurar-se em dois sujeitos que perderam, cada um por si, os seus momentos e que, agora, eventualmente juntos, não conseguem sequer um sopro de novidade?

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!