Morre o catador que tentou ajudar inocente fuzilado pelo Exército. Até quando??

Morreu e ninguém saiu na rua para protestar.

Morreu e o advogado de seus algozes foi condecorado pelo governo Bolsonaro.

A pergunta retórica “até quando?” fica eternamente sem resposta porque a resposta é “para sempre”.

Depois de onze dias lutando pela vida no Hospital Carlos Chagas, no Rio de Janeiro, o catador Luciano Macedo, de 28 anos, morreu.

Luciano foi alvejado no caso do fuzilamento, pelo Exército, do carro onde estava o músico Evaldo Rosa.

Oitenta tiros. O número virou um emblema da impunidade, da tragédia nacional.

Luciano foi ferido ao tentar ajudar Evaldo e a família.

Estavam a caminho de um chá de bebê quando soldados dispararam contra o veículo onde estavam o filho de 7 anos, a mulher, uma amiga e o sogro, que também foi ferido.

O catador passou por uma traqueostomia e cirurgia no pulmão na tarde de quarta-feira, mas não resistiu.

A Justiça determinou duas vezes a transferência do catador para outro hospital, mas nenhuma foi cumprida. Repito: NENHUMA FOI CUMPRIDA.

Segundo Bolsonaro, o Exército não matou ninguém.

Segundo Sergio Moro, “lamentavelmente, pode acontecer”.

“Ele é trabalhador! Não o mate”, gritou a mulher de Luciano, Daiane Horrara, no dia em que o alvejaram.

A dor de Diane deveria ser nossa, a revolta deveria ser nossa, mas o Brasil virou uma nação de canalhas e canalhas sentem empatia com canalhas.

Daiane, mulher do catador morto pelo Exército

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!