Morre o coordenador da Lava Jato no PR

Alessandro Oliveira comandou a Lava Jato em Curitiba — Foto: Reprodução/RPC

O procurador da República Alessandro Oliveira, de 45 anos, que foi coordenador da Operação Lava Jato em Curitiba, no Paraná, teve a morte confirmada nesta quinta-feira (20).

A informação foi divulgada pelo Ministério Público Federal (MPF) que lamentou “profundamente a morte” do procurador, cujo trabalho foi marcado pelo “comprometimento, pela excelência e pela cordialidade”.

Oliveira passou a coordenar a Lava Jato após a saída do procurador Deltan Dallagnol, em setembro de 2020.

Ele estava internado e se tratava de um câncer.

Leia, abaixo, a nota publicada pelo MPF: 

O Ministério Público Federal (MPF) no Paraná lamenta profundamente a morte do procurador da República Alessandro José Fernandes de Oliveira nesta quinta-feira (20). Com uma trajetória de 17 anos no MPF, o trabalho de Alessandro foi marcado pelo comprometimento, pela excelência e pela cordialidade.

Todos aqueles que tiveram o privilégio de conviver com Alessandro durante a brilhante carreira dedicada à defesa dos ideais do MPF trazem a marca de seu exemplo. Alessandro deixa ao Ministério Público Federal um legado de coragem e honradez, que servirá de guia a iluminar os que, como ele, dedicam a vida à missão constitucional de “promover a realização da justiça, a bem da sociedade e em defesa do Estado Democrático de Direito”.

Alessandro tinha 45 anos e começou sua trajetória como procurador da República em 2004 na PRM/Marabá (PA). No mesmo ano foi removido para a PRM/Foz do Iguaçu, onde ficou até 2007. Ainda em 2007, o procurador foi para a PRM/Paranaguá, indo definitivamente para a sede do MPF, em Curitiba, em 2013. Mas seu vínculo com ao MPF no Paraná é mais antigo: Alessandro foi servidor comissionado de 2002 a 2004.

Em 2013, ao assumir a Procuradoria Regional Eleitoral do Paraná, Alessandro mostrou sua versatilidade e conhecimento jurídico, executando um trabalho marcante na área eleitoral, que até hoje é lembrado por colegas. No mesmo ano assumiu um novo desafio, mostrando seu comprometimento com o MPF: o de procurador-chefe substituto. O trabalho na esfera administrativa foi igualmente marcado pela dedicação, excelência e por sua capacidade de dialogar.

Na área criminal e de combate à corrupção, Alessandro teve a oportunidade de selar definitivamente seu comprometimento com a sociedade. De 2011 a 2013, o procurador foi conselheiro do Conselho Penitenciário do Estado do Paraná, e, de 2012 a 2016, foi coordenador da Rede de Controle da Gestão Pública no Estado do Paraná.

Durante os anos de 2019 e 2020, o procurador esteve no Grupo de Trabalho da Lava Jato na Procuradoria-Geral da República (PGR), um reconhecimento nacional da excelência do seu trabalho, e onde ele conseguiu, novamente, trabalhar por uma sociedade mais justa e democrática.

Lava Jato – Recentemente, em 2020, em mais um ato de coragem e diante de um imenso desafio, Alessandro assumiu a coordenação da Lava Jato no Paraná. Com o lema “ninguém fica para trás”, o procurador cativou colegas com seu espírito coletivo e com sua forma empática e sempre respeitosa de dialogar. E, mais uma vez, mostrou a excelência do seu trabalho. Alessandro deixa um vazio como coordenador, mas muito mais como amigo, companheiro e exemplo de determinação, coragem e liderança.

Alessandro – sua pessoa e seu trabalho – está marcado na história do MPF, do Paraná e será sempre lembrado com carinho por todos aqueles que tiveram a honra de sua companhia.

Palavras são insuficientes para homenageá-lo. A maior dedicatória que podemos fazer à sua vida é seguir seu legado de destemor, convicção e dedicação ao órgão.

O MPF decreta luto oficial de três dias e presta condolências aos familiares e amigos de Alessandro.