Mudar a embaixada do Brasil para Jerusalém é, acima de tudo, uma burrice. Por Daniel Trevisan

Pastor Everaldo batiza Bolsonaro nas águas do rio Jordão

Todos os historiadores israelenses reconhecem a importância no Brasil no processo que levou à criação do Estado de Israel, em 1947. Foi um brasileiro, Oswaldo Aranha, quem presidiu as sessões que levaram à repartição do território da Palestina e abriu caminho para a criação do Estado de Israel.

Aranha dá nome a uma importante rua em Tel-Aviv, que os estudantes mais maduros conhecem como a capital de Israel. Também é nome de uma praça em Jerusalém, cidade sagrada para judeus, muçulmanos e cristãos e é uma cidade reivindicada como capital tanto por Israel quanto pela Palestina.

Portanto, para contar com a gratidão e reconhecimento de Israel, o Brasil não precisa levar adiante a ideia de Jair Bolsonaro de transferir a embaixada brasileira em Tel Aviv para Jerusalém.

Essa transferência contraria resolução da ONU, mas foi realizada por Donald Trump no caso americano e por dois países menores, Guatemala e Paraguai, que acabou voltando atrás.

Bolsonaro está comprando um conflito que não nos pertence e vai perturbar a relação dos brasileiros com os países árabes. A troco de quê?

Igrejas evangélicas, como a Universal do Reino de Deus, são ativas defensoras da cultura judaica. Nos templos de Edir Macedo, os pastores já usam vestimentas típicas de rabinos.

O maior desses templos, o de Salomão, em São Paulo, tem símbolos judaicos por toda parte, como a menorah, candelabro de sete pontas e réplicas das tábuas da lei.

Esses símbolos ocuparam antigas inscrições como “Jesus Cristo É o Senhor”, presentes nos templos originais.

Edir Macedo, hoje um dos mais importantes aliados de Bolsonaro, não é o único líder evangélico que se aproximou do judaísmo.

É próspero o turismo promovido nas igrejas evangélicas, com viagens guiadas por pastores a Israel.

Bolsonaro, ainda deputado, participou de algumas dessas excursões, e numa delas se permitiu ser batizado nas águas do rio Jordão pelo pastor Everaldo, presidente do PSC.

Agora, ao colocar a diplomacia brasileira no centro de um conflito antigo entre israelenses e árabes, Bolsonaro agrada lideranças evangélicas, ao mesmo tempo em que coloca em risco negócios de empresas brasileiras, má decisão para um país que precisa gerar empregos.

O Brasil tem negócios bilionários com países árabes, e o anúncio da decisão é acompanhado com preocupação por empresas brasileiras, especialmente no setor de carne.

O país é a maior fornecedor de frango hallal, abatido conforme as orientações muçulmanos.

O frango brasileiro faz parte de um comércio bilateral que, só no primeiro semestre deste ano, somou 5,1 bilhões de dólares, conforme reportagem de O Estado de S. Paulo.

Vale a pena colocar em risco parte e esse comércio e décadas de construção diplomática para agradar radicais evangélicos e israelenses?

Oswaldo Aranha disse que o Brasil só teve papel decisivo na criação do Estado de Israel em razão da neutralidade pessoal dele.

Pode não ser verdade — Aranha tinha uma relação antiga com judeus e, como ministro das Relações Exterior de Getúlio Vargas, facilitou a concessão de visto para judeus que fugiam do nazismo.

Mas, em diplomacia, conta muito a imagem do diplomata. Apresentar-se como neutro é estratégico para aparar arestas, evitar conflitos desnecessários e se aproximar de um objetivo.

Bolsonaro está fazendo exatamente o contrário, e pode causar prejuízos econômicos ao Brasil.

 

 

 

Acompanhe as publicações do DCM no Facebook. Curta aqui.

Clique aqui e assine nosso canal no youtube

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!