Mulher de Haddad é aposta do PT para prefeitura de SP em 2020. Por José Cássio

Ana Estela trabalhou com Lula durante os dois governos do ex-presidente (foto: reprodução)

Ana Estela Haddad, mulher do ex-prefeito Fernando Haddad, é uma das apostas do PT para concorrer à prefeitura de São Paulo em 2020.

Quem defende é um dos amigos mais próximos do ex-presidente Lula: o vereador paulistano Alfredinho, fundador da CUT e do próprio PT.

“É um quadro importante, que representa o legado do PT na cidade e com experiência nos governos e na estrutura partidária”, diz Alfredinho.

Doutora em odontologia e professora da USP, Ana Estela é casada há 30 anos com Fernando Haddad.

Trabalhou como gestora de políticas públicas nas áreas de educação e saúde durante os dois mandatos do ex-presidente.

Percorreu o país junto com o marido na campanha do ano passado.

Ana Estela ganhou destaque nas redes sociais e no site do PT, que disponibiliza uma página dedicada a ela, com textos e vídeos mostrando sua experiência com Lula nos ministérios da Educação, sob o comando de Tarso Genro, da Saúde e ainda sua participação na implementação do Prouni.

Em declarações públicas, defende o legado dos governos Lula e Dilma e diz que o afastamento da ex-presidente foi fruto de uma ação política que não aceitou o resultado das urnas.

“Nem sempre fui militante, mas sempre votei no PT”, diz num dos depoimentos. “Só fui conhecer o partido de perto quando fui trabalhar na gestão do presidente Lula. Desde então, minha admiração só cresceu. Já faz muitos anos que o partido está nessa luta.”

Marido de Ana Estela, Fernando Haddad é uma das pessoas mais próximas de Lula e a principal liderança do partido em nível nacional.

É visto como o plano A do ex-presidente para o ano que vem, mas a ideia esbarra na tese de que o PT precisa renovar os quadros e manter Haddad em atividade nos encontros com lideranças estaduais, dando orientações e comandando a oposição ao governo de Jair Bolsonaro.

Além de Ana Estela Haddad, a única sem vivência eleitoral, o PT estuda outros nomes para concorrer à sucessão de Bruno Covas.

Entre eles Gilmar Tatto, ex-deputado federal e ex-secretário nos governos de Fernando Haddad e Marta Suplicy, os deputados Carlos Zarattini e Paulo Teixeira, e o ex-senador e ex-ministro Aloizio Mercadante.

x.x.x.x

Sobre o fato de ter seu nome ventilado como possível candidato a prefeito, em 2020, o ex-ministro Aloizio Mercadante mandou a seguinte nota ao DCM.

O ex-ministro Aloizio Mercadante não foi candidato a qualquer cargo eletivo em 2012, em 2014, em 2016 e em 2018. Mercadante esclarece que também não será candidato em 2020 e que não autorizou ninguém a tratar ou discutir o assunto em nome dele.

Assessoria do ex-ministro Aloizio Mercadante

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!