Na real, Harry e Meghan estão abandonando a Coroa para abrir novos negócios, muito mais lucrativos

O príncipe Harry, da Inglaterra, e sua mulher Meghan Markle

O príncipe Harry surpreendeu quem se importa com aquele bando de jecas inúteis com a decisão de “desistir” da família real britânica “para ser economicamente independente” junto com sua mulher Meghan Markle.

Planejam viver entre o Reino Unido e o Canadá.

Divulgaram sua declaração no Instagram sem notificar a rainha Elizabeth II, o pai Charles ou o irmão William.

O post acumula mais de um milhão e meio de “curtidas”.

“Esperamos compartilhar todos os detalhes deste emocionante próximo passo no devido tempo”, escreveram no Instagram.

“As discussões com o duque e a duquesa de Sussex estão em um estágio inicial”, respondeu a Coroa.

“Entendemos seu desejo de adotar uma abordagem diferente, mas esses são problemas complicados que levarão tempo para ser resolvidos”.

Meghan é americana, filha de uma mulher negra, trabalhou na embaixada dos EUA em Buenos Aires em 2001 e se divorciou quando conheceu Harry.

A lenda é que ela nunca foi “aceita” pela rainha e os nobres — como Diana e, antes delas, Wallis Simpson.

Está sendo celebrada como uma heroína que deseja apenas viver com seu marido e as crianças longe daquele universo falso, cruel e nababesco.

Harry, por sua vez, é o sujeito que abdica de seus privilégios em troca de um ambiente saudável e “pé no chão”.

O sujeito descobriu o valor das coisas. Etc.

Balela.

Por trás disso, tem dinheiro. Muito mais que a mesada de Harry e as 37 mil libras que recebe como oficial do Exército.

O Megxit, como está sendo tratado na imprensa, oculta a oportunidade de fazer grandes negócios sem o controle da Coroa, algo proibido para seus membros.

Harry se destacou como palestrante e organizador dos Jogos Invictus, um evento para veteranos de guerra.

Se Dallagnol ficou rico discursando para idiotas, como Harry não se daria bem? 

Quantas agências não o contratariam para falar ao redor do mundo?

O casal de duques, muito popular, já patenteou itens como roupas e cartões postais com a marca “Sussex Royal”.

O Daily Mail relata que os documentos foram enviados ao Registro de Propriedade Intelectual, o que sugeriria um plano ambicioso.

Christopher Hitchens, certa vez, escreveu sobre essa obsessão doentia com os milionários desocupados disfuncionais.

“Alguns britânicos afirmam que ‘amam’ a Casa de Hanover. Esse amor assume a forma macabra de exigir um sacrifício humano regular, pelo qual pessoas não excepcionais são condenadas a levar existências totalmente artificiais e tensas, e então punidas ou humilhadas quando elas desmoronam”.

Harry e Meghan saíram antes de tudo desmoronar e serão infelizes para sempre em algum outro lugar, contando mais moedinhas.

 

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!