“Não escolhi ser italiano”: o desabafo épico de Balotelli aos que querem transformá-lo em bode expiatório

 

Mario Balotelli, o craque mercurial do Milan, marcou um gol na Copa, na estreia da Itália contra a Inglaterra. O jogo é, desde já, um clássico dos mundiais, com os dois times suando sangue até o último minuto no calor úmido e desumano de Manaus.

Sua participação era cercada de grandes expectativas. Mas ficou nisso. A Azzurra acabou eliminada pelo Uruguai por 1 a 0 na primeira fase no célebre encontro em que Suárez enlouqueceu.

Balotelli foi substituído no segundo tempo por um Cesare Prandelli provavelmente receoso de que ele perdesse a cabeça. Tinha tomado um amarelo por ter quase escalado o pescoço do uruguaio Álvaro Pereira.

Uma vez pregado o caixão da Itália, aconteceu o que se esperava: Mario Balotelli foi rapidamente rebaixado à condição de principal culpado segundo a imprensa, os dirigentes, parte dos colegas e a imensa maioria dos torcedores, os tifosi.

“Balotelli não foi o único a perder, mas foi certamente decepcionante”, disse o presidente do Comitê Olímpico Italiano Giovanni Malago, que supervisiona todos os esportes na Itália.

“Temos de levar em conta tudo isso e recomeçar com homens de verdade, não com figurinhas da Panini ou personagens: esses não servem para a seleção”, afirmou o meio-campo De Rossi. Era uma indireta: no Facebook, Balotelli fez um post com um álbum fictício da Copa em que ele era o único atleta do time.

Balotelli nasceu na Sicília, filho de imigrantes de Gana. Foi adotado aos 3 anos por uma família italiana com condições de criá-lo. Passou a adolescência em Brescia, onde a Liga Norte, grupo de extrema direita, violentamente xenófobo, é especialmente ativo.

É qualquer coisa, menos submisso. Indisciplinado, encrenqueiro, vaidoso. Um Simonal do calcio. Noel Gallagher, do Oasis, seu fã, o chamou de “rock-star moderno”. Anda de Ferrari, frequenta a noite, é mulherengo (teria brigado com a namorada Fanny Neguesha na véspera do confronto com o Uruguai). Ele só é tolerado porque faz gols. Quando não faz, quem precisa dele?

O sucesso tem vários pais e o fracasso é órfão. Mas Balotelli reagiu à tentativa de transformá-lo em bode expiatório. Um torcedor lhe deixou um recado em vídeo no Instagram: “Mario, você não é realmente italiano. Vá embora”.

Sua longa resposta foi épica. Como gosta meu sobrinho Antônio Carlos, eis um homem de caráter. Como diz meu filho Donatello, ele mitou:

“Sou Mario Balotelli, tenho 23 anos, e não escolhi ser italiano. Mas queria jogar aqui porque nasci e sempre vivi na Itália. Quis muito ir para a Copa do Mundo e me sinto triste, decepcionado comigo mesmo. Se eu tivesse marcado aquele gol contra a Costa Rica, qual seria o problema da vez? A culpa não é só minha. Dei tudo pela seleção e nem fiz nada de errado do ponto de vista do meu caráter. Estou com a consciência limpa e pronto para seguir em frente ainda mais forte, de cabeça erguida. Orgulhoso de ter dado tudo pelo país. Ou, talvez, como você diz, eu não seja italiano. Afinal, os africanos jamais tratariam um irmão assim. Nisso, nós negros, como você nos chama, estamos anos-luz na frente. Vergonha não é perder um gol ou sofrer algum. Vergonhosas são coisas como esta. Italiano de verdade! Sério?”.

Já dizia Wilson Simonal que é duro ganhar a vida, mas ‘tamos aí’. Beduíno não se curva.

 

balotelli-italia-afp_95

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!