Não foi pênalti e o Corinthians só vai ser campeão por causa dos juízes. Por Scott Moore

Atualizado em 21 de setembro de 2015 às 5:07
Magic Jadson in action
Magic Jadson in action

Ladies & Gentlemen:

O título deste artigo é, naturalmente, uma pegadinha. (Nota da Tradutora: small catch, no original.)

Desde que acompanho o futebol poucas vezes vi um pênalti tão claro quanto o cometido contra Wagner Love no match entre Corinthians e Santos neste domingo.

O zagueiro do Santos mirou no meio de Wagner Love, desesperado diante da iminência do gol no final do jogo, e chutou o striker como se fosse a bola.

E no entanto as redes sociais, conforme me relata Boss, foram tomadas de anticorintianos que disseram ali estar mais um prova de que o Almighty está sendo escandalosamente beneficiado.

O Corinthians, àquela altura, já merecia estar vencendo por 3 a 0. Amassou o Fish desde o início, para minha surpresa, dadas as últimas partidas entre os dois times.

Vai-se consolidando em mim a ideia de que Renato Augusto pode ser o New Zidane, pelas passadas largas, visão de jogo e capacidade de finalizar como um atacante.

Falta-lhe a calvície, e pouco mais, para ser Zidane, ou uma réplica pelo menos aproximada do craque aposentado.

Minha satisfação com RA contrasta com minha preocupação com o menino Malcom. Onde aquele atrevimento dos primeiros tempos? O garoto parece intimidado. O técnico tem que lhe devolver a petulância. Um driblador como Malcom tem que driblar. Point.

O campeonato poderia ter sido decidido virtualmente ontem, caso o Flamengo tirasse pontos do Atlético Mineiro.

Ouvi de Boss o seguinte: “Como dizia minha Tia Iracema, você não deve contar nunca com o Flamengo.”

Boss julgou desnecessário me dar detalhes sobre sua Tia Iracema.

O Corinthians é o melhor time do Brasil, e caminha para ser campeão. É uma ds melhores equipes do mundo. Fora Barcelona, Real Madrid e Bayern, não vejo nenhuma agremiação claramente superior ao Corinthians.

No Brasil, é um caso raro de estabilidade. A base foi mantida, o técnico também, e isso faz muita diferença.

Dizer que o sucesso se deve aos juízes é uma ofensa ao bom senso.

É coisa para quem grita que o pênalti em Wagner Love foi roubado. Como diz Boss com razão, hoje no Brasil o pior cego é o anticorintiano.

Sincerely.

Scott.

Tradução: Erika Kazumi Nakamura.

Compartilhar
Artigo anteriorQuem gostou de Narcos precisa assistir El Patrón Del Mal. Por Emir Ruivo
Próximo artigoE se Aécio fosse o presidente? Por Paulo Nogueira
Aos 53 anos, o jornalista inglês Scott Moore passou toda a sua vida adulta amargurado com o jejum do Manchester City, seu amado time, na Premier League. Para piorar o ressentimento, ele ainda precisou assistir ao rival United conquistando 12 títulos neste período de seca. Revigorado com a vitória dos Blues nesta temporada, depois de 44 anos na fila, Scott voltou a acreditar no futebol e agora traz sua paixão às páginas do Diário.