Negar cloroquina pôs Queiroga na guilhotina de Bolsonaro. Por Fernando Brito

Publicado originalmente no blog do autor

Por Fernando Brito

A única coisa que pode manter Marcelo Queiroga no Ministério da Saúde é a falta de vergonha, porque a de caráter já vinha e demonstrando repetidas vezes e alcançou o seu auge com o papelão de chamar para si a demissão da médica Luana Araújo, vetada pelo Palácio do Planalto.

Agora, porém, ele não tem outra alternativa senão a de pedir imediata demissão do cargo.

Ficou evidente que Jair Bolsonaro avançou sobre a sua alegada “autonomia técnica”, ao anunciar para breve que ele emitiria “parecer” para a liberação do uso da máscara para quem já tivesse tomado a vacina ou já se tivesse contaminado da Covid, algo que, além de equivocado tecnicamente, é absolutamente impossível de ser controlado.

Mas fez pior: humilhou publicamente seu auxiliar, fazendo uma careta e dizendo que “acabei de conversar com um tal de Queiroga, não sei se vocês sabem que é, nosso Ministro da Saúde” para anunciar que haveria desobrigação – e, mostrando uma máscara, “para tirar esta (m)…este símbolo”.

E por que Bolsonaro fez isso?

A resposta está clara: Marcelo Queiroga cometeu ontem um pecado capital, o de dizer que a cloroquina, o “remédio” presidencial, não tinha efeito sobre a Covid.

Este é um governo confessional: é preciso prestar reverência e concordância às imbecilidades de Jair Bolsonaro ou sua cabeça será cortada.

E, afinal, com uma certa justiça: afinal, se não quer ser um monstro, o que vai fazer como subordinado de um dos piores deles?

Quem tem caráter, já disse mais de uma vez, não aceita proximidade e menos ainda cargos nesta quadrilha maldita que ele comanda.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!