Netflix lança filme difamando WikiLeaks 3 dias antes de julgamento de Assange

A Netflix começará a transmitir um exibir um ataque a Julian Assange e o WikiLeaks para seus assinantes americanos em 24 de outubro, apenas três dias antes de uma data significativa no tribunal na luta de Assange contra a extradição do Reino Unido para os Estados Unidos em 27 de outubro, diz o blog de Caitlin Johnston:

“We Steal Secrets” (“Nós roubamos segredos”) é um “documentário” que agora está tão desatualizado depois de seu lançamento em 2013 que um de seus personagens centrais, Chelsea Manning, é chamado por um nome morto em sua totalidade. Por que escolher este momento específico para exibí-lo?

Bem, não faz muito sentido, se o momento não foi deliberadamente voltado para prejudicar a reputação de Assange na nação cujo governo está tentando extraditá-lo por expor seus crimes de guerra.

A data do julgamento de Assange em outubro foi marcada em agosto e a Netflix não anunciou que tinha programado para começar a transmitir este filme até duas semanas atrás.

Afinal, “We Steal Secrets” era tão flagrante em sua versão que não apenas os apoiadores do WikiLeaks como o World Socialist Website e o jornalista Jonathan Cook o consideraram uma difamação na época, mas o próprio WikiLeaks se deu ao trabalho de publicar linha por linha a refutação das propaganda amontoada na narrativa do cineasta Alex Gibney.

“O título (‘We Steal Secrets: The Story of WikiLeaks’) é falso”, escreve o WikiLeaks no início de sua resposta. “Isso implica diretamente que o WikiLeaks rouba segredos. Na verdade, a declaração é feita pelo ex-diretor da CIA / NSA, Michael Hayden, em relação às atividades dos espiões do governo dos EUA, não em relação ao WikiLeaks. É uma calúnia irresponsável. Nem mesmo os críticos do filme dizem que o WikiLeaks rouba segredos”.

“É um trabalho contra Julian Assange e se encaixa na mídia e na campanha do governo dos EUA contra o site WikiLeaks. Se Gibney mudou para a direita ou simplesmente revelou as limitações fatais de suas visões “oposicionistas” liberais é um assunto para uma discussão separada. De qualquer forma, seu mais novo trabalho é um esforço de desinformação”, escreveu o World Socialist Website em 2013. (…)

Esta não seria a primeira vez que a Netflix ajudou a circular narrativas que interessam ao império e aos EUA, já tendo executado “documentários” descaradamente propagandísticos defendendo os interesses imperiais em nações como Ucrânia, Rússia, Egito, Síria, e vários outros. A Netflix também assinou acordos com os Obama e com a realeza britânica. (…)

Ainda assim, tal facilitação aberta do governo mais poderoso do mundo em sua campanha para prender um jornalista por atividade jornalística inconveniente é um tipo especial de repressão. Se houver uma humanidade saudável no futuro, ela olhará para trás, para a campanha mundial de difamação contra Assange e o WikiLeaks com horror.