Ninguém vai dizer que estão loucos os que querem abrir tudo? Por Fernando Brito

Publicado originalmente no blog Tijolaço

Por Fernando Brito

Com liberdade e vida, desculpem, não dá para aceitar que a “livre expressão” legitime monstruosidades.

Não é legítimo dizer que se pode prender ou matar pessoas livremente ou incitá-las a exporem suas vidas a risco.

No mesmo dia em que surgem as imagens das valas coletivas para cadáveres em Manaus, na mesma hora em que se relata o esgotamento dos recursos hospitalares em grandes cidades e no mesmo instante em que crescem casos e mortes provocados pelo Covid-19, só no que falam nossas autoridades públicas é em reabrir o comércio e retirar as restrições de circulação de pessoas.

É, que triste, a manchete dos principais sites jornalísticos.

Nem mesmo a morte, nem mesmo o número de mortos, que já vai chegando a 3 mil, nada vence a lógica implacável do dinheiro, do consumo, do desprezo seletivo: pelos pobres, pelos idosos, pelos doentes, por todos aqueles que estão em situação de fragilidade, às quais não dão a mão em solidariedade, mas num tapa.

Não é possível que o jornalismo não perceba que está sendo instrumentalizado por esta onda egoísta e desumana.

Absolutamente não é uma questão de planejamento de quantos metros de distância na fila, ou no número de clientes por loja, ou de que os vendedores usem máscaras.

A questão essencial é que dezenas ou centenas de milhares serão postos a circular em transportes lotados, em meio a um caldo viral, a centímetros uns dos outros.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!