No Brasil e nos EUA, negros são sufocados pela violência. Por Dilma Rousseff

Imagem: reprodução

PUBLICADO ORIGINALMENTE NO BLOG DA DILMA

O que têm em comum o acontecido com o americano George Floyd e com as crianças brasileiras Kauan Rozário, Aghata Félix, Kauê Ribeiro e João Pedro Pinto? Os cinco eram negros, pobres, socialmente excluídos e foram assassinados este ano em ações policiais. O primeiro vivia em Minneapolis, os demais moravam em bairros pobres do Rio de Janeiro, e todos foram vítimas do racismo estrutural e da herança escravista que cobrem com uma mancha de violência e infâmia a vida cotidiana destes dois países.

Apesar das diferenças históricas, o racismo naturalizado nas relações sociais do Brasil e tolerado nos Estados Unidos sustenta a desigualdade, a injustiça e a violência, que tornam a vida dos negros um risco permanente. No Brasil, nove em 10 mortos pela polícia são negros, e metade deles é jovem. No ano passado, o número de negros mortos pela polícia no Brasil aumentou 29% (49% quando incluídos os pardos), enquanto o número de brancos assassinados em ações policiais diminuiu 13,6%.Os negros também têm suas vidas abreviadas pela exclusão do trabalho formal, pela fome, pela miséria e, neste momento, aqui e nos EUA, pela epidemia, que atinge mais brutalmente as comunidades pobres em que vivem.

O povo americano está nas ruas protestando contra o assassinato de George Floyd e, apesar das ameaças de recrudescimento da violência de estado por parte de Trump, multidões de todas as etnias gritam que sem justiça não haverá paz .

A violência contra os negros, cometida por polícias fascistizadas, é autorizada por governantes autoritários e preconceituosos, como Trump e Bolsonaro, ou defensores da formação de milicias paramilitares, como o presidente brasileiro, e por governadores que, como o do Rio, assumiram anunciando tiros de fuzil na cabeça de suspeitos. Também no Brasil, os negros, sobretudo os jovens negros, sabem que aqui não conseguirão respirar” enquanto a violência do racismo não for denunciada, barrada e integralmente superada.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!