No Condomínio. Por Miguel Paiva

Publicado originalmente no Jornalistas pela Democracia:

Por Miguel Paiva

– Adalberto, será que a gente podia conversar?

– Já vou, amor. Estou postando aqui no twitter.

– Estou querendo conversar com você faz tempo.

– Traz uma cerveja pra gente conversar na boa.

–  Não vou trazer cerveja nenhuma, Adalberto. Senta Aqui.

–  Nossa, vocês mulheres, hein…agora se acham, né?

–  Não acho nada, só queria conversar.

– Tá bom, vai diz.

– Mas presta atenção, Adalberto, larga desse celular.

– É meu grupo lá de Brasília.

– Esquece o grupo e foca aqui em mim.

– Tô focado.

– Quero me separar de você.

– Ah, Elzinha, pra isso que você me tirou do celular? Dá um tempo.

– Quero me separar, Adalberto e estou te dando a chance de conversar antes.

– Está me dando uma chance? Como é isso?

– Se não quiser conversar eu vou embora e pronto. Quer dizer, quem vai embora é você.

– Deixa de merda, Elzinha. Como vou embora? Não sou homem de ir embora.

– Mas a casa é minha. Quem tem que sair é você.

– Mas porquê, meu deus do céu? Somos um casal.

– Éramos um casal, agora somos só você.

– E não dou conta?

– Não, Adalberto. Você não dá conta e suas contas não batem.

– Como assim?

– Cansei dessa sua postura. Quando a gente casou o momento era outro. Nem percebi essas nossas diferenças

– Que diferenças? Você bem que gostava de mim na cama.

– Gostava. Agora nem isso. Difícil gozar com um bolsonarista, que fala mal das mulheres, detesta gays, gosta de armas e coça o saco..

– Como assim? Sou macho pra cacête e não fraquejo.

– Pois é. Não gosto mais disso. Quando a gente casou, repito, nem prestava atenção nessas coisas. Agora salta aos olhos.

– Já sei, tá querendo trabalhar fora, ser independente.

– Já trabalho fora faz tempo, Adalberto e você nem percebeu.

– Mulher minha não trabalha fora.

– Por isso não quero mais ser sua mulher.

– Para com isso, Elzinha. Casamos na igreja. Não dá pra separar.

– Você é um babaca, Adalberto. Não aguento mais viver com quem pensa como você. Suas ideias me dão nojo e me brocham.

– Mas você nunca reclamou.

– A gente nem falava nisso e eu, confesso, era uma boba. Mas acordei. Me liguei. Me liguei no Felipe Netto.  Mudei.

– Sabia que tinha homem na jogada. Para com essa merda, Elzinha. Vai se vestir pro churrasco do deputado. Bota aquela sainha bem justa e curta.

– Vai à merda, Adalberto. Não vou a churrasco nenhum. Vou me separar de você, entendeu? Não aguento mais. Não aguento mais seu bafo, seu hálito, seus músculos, seu cérebro e seu pau. Aliás, nem isso.

– Você bem que gostava.

– Gostava. Agora não gosto mais.

– Vai virar freira?

– Não, vou namorar uma mulher.

– Kkkkk, uma mulher? Vai ficar faltando coisa aí.

– Não vai faltar nada que importe. Essa sua virilidade de direita é completamente falsa. Só da boca pra fora. Nem isso você sabe mais fazer e além de tudo, não é isso que eu quero agora. Quero amor, paz, inteligência, parceria, doçura…

– Coisa de esuerdopata e viado. Tá namorando um viado Elzinha?

– Não, Adalberto, não escutou? Estou namorando uma mulher. Linda, gostosa, inteligente…

– Você não abre a boca sobre isso no churrasco, por favor. Olha a minha imagem.

-Sua imagem vai sair dessa casa agora, Adalberto. Suas coisas já estão arrumadas. Tá tudo na garagem. Ah, o carro é meu, só pra te lembrar.

– Não vou sair daqui. Aliás, vou chamar a ambulância, você está louca.

– Ok, não sai você, saio eu, mas tem que pagar o condomínio, o IPTU, a água, a luz, a diarista e o advogado. Toma, os papéis do divórcio estão aqui. Fui.

Elzinha sai e bate a porta. Adalberto fica ali com o envelope na mão, boquiaberto sem ter reação.

– Mulheres. E nem me trouxe a cerveja que eu pedi.

Adalberto pega o telefone e liga.

-Mãe, tudo bem? Acho que vou passar uns dias aí. A Elzinha tá menstruada. Ela fica insuportável. Você sabe que eu não aguento. Tô chegando pro jantar. Beijo, mãe.

Pano rápido.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!