No Jornal Nacional, Galvão abaixa o tom, mas não desiste de culpar o juiz pelo empate contra a Suíça

Como observou o colunista Mauricio Stycer, em sua coluna do UOL, Galvão Bueno adotou um novo tom no “Jornal Nacional” desta segunda-feira (18).

“Eu disse durante a transmissão que o gol com um empurrão tão claro em cima do Miranda foi a desmoralização do árbitro de vídeo. Daquele árbitro, naquele jogo”, afirmou, sugerindo que não é contra o uso da tecnologia no futebol.

Durante o seu desabafo na partida, porém, Galvão deixou claro que sua crítica não era específica ao árbitro de vídeo da partida. Irritado e fora do tom, ele chegou falar: “Pra que existe o tal árbitro de vídeo. Eu estou dizendo isso há meses e meses. É um blefe!”, disse.

Nesta segunda, depois de amenizar a crítica, o narrador manteve a sua visão de que o gol deveria ter sido anulado. E criticou a Fifa: “A Fifa considera que a arbitragem agiu corretamente ontem. Mas a arbitragem errou. Houve, sim, a falta no Miranda. Mas a Fifa não admite isso porque tem por norma proteger seus árbitros”.