No pós-Bebianno, operações encurralam adversários do governo. Por Helena Chagas

Juiz Sérgio Moro(foto: Nelson Almeida/AFP)

Publicado originalmente no site Os Divergentes

POR HELENA CHAGAS

Coincidências existem, mas não devemos nos iludir com a súbita velocidade vertiginosa dos fatos político-policiais, substituindo uma crise/escândalo por outro em questão de dias, até de horas, desviando focos e criando outros. No auge da crise do laranjal do PSL, poucas horas após a desgastante demissão do ex-ministro palaciano Gustavo Bebianno, amanhecemos hoje com duas importantes e vistosas operações policiais nas ruas.

Uma delas, que tem como alvo irregularidades e contratos do governo com o Sistema S, prendeu nada menos do que o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Andrade, até ontem um frequente e prestigiado interlocutor nos principais gabinetes do poder em Brasília, São Paulo, Rio e Minas Gerais. Isso não é pouca coisa.

Na outra, a 60ª da Lava Jato, os alvos aparentes são o ex-operador de campanha tucano e ex-diretor da Dersa Paulo Vieira de Souza, o famoso Paulo Preto, já preso e solto umas tantas vezes. E atinge também, com investigações, o ex-chanceler e ex-senador pelo PSDB Aloysio Nunes Ferreira, a partir de elementos de delações premiadas da Odebrecht sobre pagamentos a políticos do PSDB.

Podem até estar cobertas de razões policiais e investigativas tais operações, mas não há como não observar que, no pós-Bebianno, colocam no corner importantes adversários do governo Bolsonaro e da nova ordem estabelecida com a nomeação do ex-juiz Sérgio Moro para o Ministério da Justiça, chefiando a Polícia Federal.

ADVERSÁRIOS DO GOVERNO

Já antes da posse do governo Bolsonaro, Robson Andrade, que transitava muito bem nos governos do PSDB e do PT, teve desavenças públicas com Paulo Guedes e equipe econômica sobre temas como os subsídios à indústria e o próprio Sistema S, que está na mira. Com a investida sobre Aloysio Nunes, também vai para a chapa quente, com a Lava Jato, a ala tucana da velha guarda do PSDB, a quem o ex-senador é mais ligado, que anda atrapalhando a rápida adesão ao atual governo defendida por João Dória.

E a pergunta que não quer calar, no meio de tantos assuntos novos e pautas boas: vão continuar investigando o laranjal do PSL?

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!