No Rio, milícia força comunidade a voltar ao trabalho e número de infectados aumenta

Publicado no Brasil de Fato

 Aumento de casos de covid-19 no Rio pode ter relação, ainda, com discurso da fé de igrejas neopentecostais – Fernando Frazão / Agência Brasil

Há uma relação direta entre o aumento dos casos de coronavírus na Baixada Fluminense, no estado do Rio de Janeiro, e a atuação das milícias na região. É o que aponta o boletim “Covid-19 e as Milícias na Baixada Fluminense”, lançado nesta quarta-feira (22) pela Iniciativa Direito à Memória e Justiça Racial (IDMJR).

“Além do sucateamento do SUS [Sistema Único de Saúde], os números de covid-19 na Baixada Fluminense têm sido um dos mais elevados. Levantamos a hipótese de que a pressão das milícias para fazer com que as pessoas voltem ao trabalho tem impactado [nos números], junto com o discurso da fé dos neopentecostais. Tentamos trazer, a partir de dados, essa hipótese. Os números de covid-19 têm se ampliado e acreditamos que têm relação direta com a presença das milícias e a política de segurança pública do estado do Rio de Janeiro e no Brasil”, destaca o coordenador executivo da IDMJR, Fransérgio Goulart.

O documento aponta que, desde o início do isolamento social decretado pelo governo do estado do Rio, em 16 de março, ocorreram 58 operações policiais na região da Baixada Fluminense, totalizando cinco mortos e 15 feridos.

Segundo o levantamento, que tomou como base os dados coletados nas redes sociais da Polícia Militar, a cidade de Belford Roxo foi a que contabilizou o maior número de operações, com 18 registros; seguida por Duque de Caxias, com 14 registros; e Nova Iguaçu, com oito registros. O boletim aponta ainda que as operações policiais acontecem, principalmente, em territórios dominados pela facção de tráfico rival às milícias da Baixada Fluminense.

De acordo com a Secretaria de Estado e de Saúde do Rio de Janeiro, até a tarde desta quarta-feira (22), a região concentrava 752 casos confirmados de covid-19. Os municípios de Duque de Caxias e Nova Iguaçu, lideram a lista com respectivamente 205 e 196 pessoas infectadas pelo coronavírus.

O relatório “Covid-19 e as Milícias na Baixada Fluminense” está disponível no site da instituição. A IDMJR é uma organização que atua com ações de enfrentamento à violência de estado e construção de políticas de segurança pública pautadas na vida e na garantia do direito à memória para vítimas e familiares da violência.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!