Nos EUA, coronavírus já matou mais que 11 de Setembro. Por Fernando Brito

Torres Gêmeas. Foto: Reprodução

Publicado originalmente no Tijolaço:

Por Fernando Brito

Faltando dados de uma dúzia de estados, o número de mortos por coronavírus nos Estados Unidos supera hoje o dos atentados de 11 de setembro de 2001, onde morreram 2.977 pessoas, inclusive os 19 sequestradores assumiram o controle de quatro aviões e os explodiram no World Trade Center, NY, e no Pentágono, em Washington.

O número é igual, embora sem as cenas espetaculares que chocaram o mundo. O que não quer dizer que não estejam acontecendo coisas impensáveis há um mês para qualquer um, como um imenso navio hospital da US Navy ancorando em Manhattan para esvaziar parte dos hospitais para os pacientes do vírus e a construção de um estrutura médica de campanha em pleno Central Park.

Os Estados Unidos têm, agora, “duas China” de infectados e quase uma delas inteira está em Nova York.

E um número que se eleva velozmente: um terço dos novos casos de infecção registrados no mundo está lá e hoje, pela primeira vez, serão mais de 20 mil num só dia.

Não sabemos se extensão dos danos da epidemia será a das piores previsões que especialistas têm traçado.

Mas sabemos que Jair Bolsonaro perde seu grande “mestre” na subestimação dos efeitos do vírus.

E isso ajuda a proteger-nos de sua psicopatia.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!