O anti-protesto coxa é a melhor forma de manter as coisas como estão. Por Leo Mendes

Na Paulista
Na Paulista

 

O mercado dos protestos verde-amarelos parece ensaiar uma retomada do crescimento.

Se desde o impeachment de Dilma, grupos como Revoltados On Line, Vem pra Rua, MBL pareciam ter perdido a razão de ser, nesse domingo conseguiram uma espécie de renovação.

Ao perder o seu principal produto, o impeachment, ainda não haviam encontrado um outro para colocar na prateleira e se reposicionar no mercado.

Não podiam colocar seu aliado Michel Temer no lugar de Dilma, nem mesmo Eduardo Cunha, e nesse vácuo deixado pela saída da presidenta eleita e do gangster, eis que caiu como uma luva Renan Calheiros e seus 12 processos.

É claro que o ódio coxa ao presidente do Senado não é tão inflamável como o ódio contra um petista, mas já quebra um galho, e Renan foi a grande novidade apresentada. 

O filósofo esloveno Zizek diz que é sempre necessário à ideologia um vilão para reunir todos os medos e angústias, e ficou difícil manter Lula como esse único vilão, sendo que ele não participa desse governo. 

Já Moro também precisa permanentemente de um antagonista forte para continuar merecedor dos holofotes e da trajetória do herói.

E os coxas, bom, os coxas precisam de um herói, de um vilão e de uma ideologia. 

Precisam acreditar que compreenderam, e que sabem o que precisa ser feito. Primeiro tirar a Dilma, depois Cunha, agora Renan… e assim indefinidamente. 

É claro que há os mais radicais, que já não acreditam nesse jogo, e tem certeza de que só mesmo fechando o Congresso, e com o poder entregue outra vez aos militares. 

No Rio de Janeiro, um desses apoiadores da intervenção militar, com o microfone na mão gritava que prender não é suficiente. “É preciso matar, cortar em pedaços e jogar num saco de lixo”. A pequena multidão em volta aplaudia ou parecia não se importar o suficiente em estar do lado de um assassino. 

Mas o fato é o que o capitalismo pode vender tudo, inclusive kits de monstruosidade, e os protestos coxa são mais uma mercadoria. 

Um produto que promete fazer de você alguém engajado, preocupado com a pátria, em defesa da moral e da ordem. 

Um produto que também lhe garante certo status, uma noção de pertencimento à elite que financia esses protestos – vide o pato da FIESP. 

Mas talvez “protesto” não seja a melhor palavra para definir esse produto. Parece mais um anti-protesto, uma forma pacífica e ordeira de manter as coisas exatamente como estão.

Em Brasília
Em Brasília

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!