O bom senso não foi convidado para o ‘casamento ostentação’ de Preta Gil

E foram felizes até os próximos dois meses
E foram felizes até os próximos dois meses

 

É terça-feira, 20h, e depois de um longo dia de trabalho você está voltando para casa de ônibus. A ladeira que leva à sua casa, inexplicavelmente, está parada. Depois de duas horas no mesmo lugar, você anda um pouco e descobre a causa de tudo: o casamento de Preta Gil.

Uma moradora não teve dúvidas.

“Vai fazer essa m**** no Leblon!”, gritou em direção aos convidados globais, segundo relato de uma repórter da Folha de S. Paulo.

Dar um nó tenebroso no trânsito do bairro de Santa Teresa, Rio de Janeiro, foi apenas um dos equívocos cometidos na noite de ontem no casamento de 2 milhões de reais entre a cantora e integrante de reality show Preta Gil e o personal trainer Rodrigo Godoy. Uns menos inofensivos que os outros.

Alguns equívocos francamente imbecis: o drinque de whey protein, pedido pelo noivo, para a “galera da maromba”. Misturar um suplemento alimentar a uma bebida destilada é como consumir crack enriquecido com vitaminas. Outro: o número delirante de padrinhos. Vinte e oito casais. Tente você lembrar o nome de 56 pessoas.

Vejam só: todo mundo tem o direito de se casar. Todo pai tem o direito de gastar o que tem e o que não tem para dar a quem vai começar a vida junto de alguém uma noite memorável. É assim em nossa cultura.

Mas fica difícil defender a família Gil no momento. Que sinal mandam a um país em que dia após dia nos damos conta do tamanho da dívida social que temos com os pobres e excluídos?

Num país que, apesar dos avanços na última década, ainda está atrás de países em guerra constante como Irã, Jordânia e Azerbaijão no ranking de desenvolvimento humano da ONU?

Que num ranking de educação com 76 países fica em 60º, atrás de vizinhos com as economias mais pobres como Chile, Costa Rica, México e Uruguai?

Numa cidade em que a PM mata crianças ali bem perto de onde se deu a cerimônia usando balas de fuzil e nada é feito?

O sinal mandado é que não estão nem aí.

É triste ver o ex-ministro da Cultura Gilberto Gil em meio a tanta ostentação vazia. Em certo prisma, é triste e mais: é cruel. Como também foi triste ver, na semana passada, na contração de núpcias majestosa do cardiologista dr. Kalil, a que presença de políticos como Dilma, Lula e Serra.

Que o who’s who das celebridades sem razão de serem famosos estivesse na festa de Preta, entre uma selfie para o instagram e outra, tudo bem, era de se esperar.

Mas, insisto, que diabos uma família de artistas populares pode querer com um vestido de 50 mil pérolas, os 14 lustres com cristal de Baccarat, os 35 seguranças, o champanhe e uísque dos mais caros?

Ah, e não nos esqueçamos que a recepção foi na casa da ex-mulher de Fernando Collor de Mello, a socialite Lilibeth Monteiro de Carvalho.

E de onde tanto dinheiro? O noivo é um personal trainer que Preta conheceu num baile funk. Sobre a carreira de cantora de Preta pode-se dizer que, bem, há piores.

Há aquela máxima de que rico não paga por nada. Pode ter sido o caso. Tudo na base da “permuta”.

Agora, se Gilberto Gil pôs a mão no bolso para mimar de forma tão patética a filha de 40 anos, sabe-se então que realmente tem bobo para tudo.

 

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!