O DCM testou o aplicativo Voto x Veto e aprovou a ideia, mas com ressalvas

voto-veto-abre

A ideia do aplicativo Voto x Veto é brilhante: você lê propostas de governo e, sem saber de quem são, clica em “voto” ou em “veto”.

Muito embora nós não votemos apenas nas intenções, mas na capacidade dos candidatos em colocar em prática, o aplicativo explicita que sim, nós temos muitos preconceitos.

Conforme você vai respondendo quais ideias gosta e quais não, o aplicativo vai criando um ranking de acordo com a porcentagem.

A candidata que ficou em primeiro no meu ranking pessoal, tem 20 votos e 2 vetos; a que ficou em segundo tem apenas 1 veto, mas também tem só 9 votos. Assim, proporcionalmente, o veto neste caso é maior.

Com o tempo, o ranking tende a ficar mais próximo do esperado, mas é provável que, como eu, você se impressione com algumas concordâncias e discordâncias inesperadas.

Agora, há problemas no aplicativo. O texto é corrido, copiado dos planos de governo dos candidatos, sem edição. Eis um exemplo:

“O programa ‘Minha Casa Minha Vida’ tem sido uma mina de ouro para as construtoras e o problema da moradia para as famílias pobres está longe de ser resolvido. Vamos modificar totalmente esse programa, retirando-o do controle das empreiteiras e compartilhando sua gestão com as entidades de luta pela moradia”

Sem entrar no mérito de se está certo ou não, é claro que esta não é uma proposta da Dilma pela crítica ao programa atual. Se estivesse escrito simplesmente “compartilhar a gestão do programa com as entidades de luta pela moradia”, talvez fosse mais difícil fazer esse diagnóstico.

Da mesma forma, quando se fala em “investir ainda mais” em alguma coisa, você sabe que é uma proposta da Dilma.

Se houvesse uma “neutralização” dos textos, você poderia dizer com certeza que não há influência inconsciente. Assim, o eleitor poderia usar a ferramenta como um exercício de questionar os próprios preconceitos.

O que não quer dizer que o simples fato de Walter Cesar Junior ter criado o aplicativo não seja um grande mérito: certamente é um exercício cívico de seu criador, que não cobra pelo download e não tem publicidade.

É um aplicativo que, de qualquer jeito, vale a pena testar.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!

Compartilhar
Artigo anteriorPara sorte de Marina, Luciana Genro só apareceu agora
Próximo artigoO Grêmio mereceu
Emir Ruivo é músico e produtor formado em Projeto Para Indústria Fonográfica na Point Blank London. Produziu algumas dezenas de álbuns e algumas centenas de singles. Com sua banda, Aurélios, possui dois álbuns lançados pela gravadora Atração. Seu último trabalho pode ser visto no seguinte endereço: http://www.youtube.com/watch?v=dFjmeJKiaWQ