O delírio autoritário de Aloysio Nunes contra as ciclofaixas

Alô, Aloysion
Alô, Aloysio

 

Foi assim. Ou, pelo menos, ele diz que foi assim.

Uma bela manhã, o senador Aloysio Nunes, vice na chapa de Aécio Neves, encaminhou-se à tradicional padaria Barcelona, em frente à FAAP, em São Paulo, e topou com moradores do bairro.

Eles estavam inconformados com as ciclovias.

Aloysio, também do pedaço, ouviu as queixas. Imagine o homem, lidando com uma campanha em escombros. Ele, porém, solidariou-se com o pessoal e registrou seu protesto nas redes sociais. “Delírio autoritário de Haddad: esparrama ciclofaixas a torto e a direito, provocando revolta nos moradores de Higienópolis”, escreveu.

Sua manifestação ocorre três dias depois que a prefeitura inaugurou 1,4 quilômetro de ciclovias nas ruas Piauí, Armando Penteado e Itatiara.

Desde junho, a cidade ganhou quase 60 quilômetros de vias exclusivas para bicicletas. Ao todo, são 120 quilômetros. A meta é 400. Em 2015, será a vez da Paulista.

O Higienópolis de Aloysio ocupa um espaço sui generis na capital. O Conselho de Segurança da região já havia lavrado um boletim de ocorrência (!) contra ciclofaixas. Em 2010, houve um movimento contra a construção de uma estação de metrô que gerou um abaixo-assinado. Uma mulher revelou à Folha seu temor de que a obra atraísse “gente diferenciada”. O governo paulista acabou cedendo.

Associações de bairro servem para defender o interesse local. Ok. Mas não em detrimento da cidade. Bicicletas não são uma panaceia para o problema do trânsito obsceno de São Paulo e suas consequências. São, sem dúvida, uma das soluções. Cite qualquer metrópole desenvolvida no mundo que não tenha ciclovias (aqui um excelente estudo sobre o impacto delas em Nova York).

No Brasil, essa discussão tomou um rumo absurdo: bikes são coisa de comunista e maconheiro. Há quem argumente que as faixas vermelhas são propaganda subliminar.

O mundo de Aloysio é velho e esquisito. O que ele propõe em oposição às ciclofaixas? Não se sabe. O próprio Alckmin afirmou que pretende ampliar a malha.

Apesar de sua experiência administrativa em São Paulo — foi vice-governador e secretário de Negócios Metropolitanos na gestão Fleury e secretário municipal de governo na gestão Serra/Kassab –, a questão da mobilidade urbana nunca lhe passou pela cabeça.

Quer dizer, até esta semana, quando, por obra do destino, esbarrou, na fila do pão, com alguém e deu sua prestimosa colaboração ao debate.

Se alguém está tendo delírios autoritários, não é bem Fernando Haddad.

 

Ciclovia na Praça Vilaboim
O uso inteligente da ciclovia da Praça Vilaboim

(Acompanhe as publicações do DCM no Facebook. Curta aqui).

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!