O desapreço de Moro e Bolsonaro pelos livros diz muito sobre o Brasil que estão destruindo . Por Kiko Nogueira

Intelectuais

Monteiro Lobato apontou que “um país se faz com homens e livros”.

O gigante Lobato imolaria o bigode se acordasse de seu sono eterno no Brasil de hoje.

A ex-jogadora de vôlei Fernanda Venturini, mulher de Bernardinho, contou ao Uol, orgulhosa, seu encontro com Jair Bolsonaro.

“Eu levei um livro para ele, que é um livro famoso da Suécia porque lá os governantes lavam a louça, fazem tudo. Aí ele falou: ‘Fernanda, você acha que eu vou ler? Não tenho tempo’”, relatou.

“Eu falei: ‘Então me dá o livro de volta’. É muito sincero. É pá, pum, isso que é bom. Porque ele ia levar o livro, aí ia ficar o livro lá jogado e muita gente quer ler esse livro”.

No programa de Pedro Bial, Sergio Moro comentou sobre um de seus passatempos.

“Eu gosto bastante de ler biografia”, falou.

Bial quis saber: “Qual foi a última que o senhor leu?”.

A resposta: “A última que eu li de biografia… Puxa vida, eu tenho uma péssima memória…”

Dado que é mentira, seria fácil inventar uma desculpa qualquer.

Ele fez isso no mês passado quando encontrou Olavo de Carvalho num jantar nos EUA. 

De acordo com a revista Época, o ex-juiz revelou ao guru que era uma honra conhecer alguém que inspirou tanta gente, incluindo “o chefe”, referindo-se a Bolsonaro.

Moro ainda mencionou ter gostado muito do livro “O jardim das aflições”, mas confessou que o achara “muito denso”.

Então tá.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!