O ”Deus-Mercado” e a Petrobrás, por Fernando Brito

Publicado originalmente no Tijolaço:

Política de preços não é orgia de preços.

A culpa de Bolsonaro neste caso da suspensão do reajuste do diesel pela Petrobras é, essencialmente, a de ter um governo que pensa que seu dever é atender ao “mercado”, não à população.

(…)

Nenhum dirigente responsável da Petrobras pode deixar de perceber o impacto que um aumento cavalar – 5,7%, numa quinzena – no diesel representa para o processo econômico, com  inflação em alta, e para o político, em meio a reiteradas ameaças de paralisação dos caminhoneiros.

É assunto que tem de ser discutido no Ministério das Minas e Energia, no da Economia e, neste grau de impacto, com o Presidente da República. Até porque, ao menos até agora, o “dono” da empresa é o Brasil e o governo seu gerente.

Foi por não acontecer isso (ou ter acontecido até o nível ministerial, não o presidencial) que teve de ocorrer a cena  constrangedora do anuncia-e-desanuncia o aumento.

E por isso, aí sim, Jair Bolsonaro é monstruosamente responsável, com as suas repetidas declarações de que as questões econômicas eram lá com o “Posto Ipiranga” de Paulo Guedes.

(…)

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!