O diabo é pai da mentira: a autobiografia renegada de Damares Alves. Por Nathalí Macedo

Damares Alves

Grande perda para a literatura brasileira: o livro “Jesus no pé de goiaba”, que estava em pré-venda como autobiografia da ministra da Mulher e dos Direitos Humanos Damares Alves, seria o primeiro meme eternizado na literatura na história da internet.

Imaginem uma espécie de versão ampliada do vídeo viral em que a pastora aparece contando a história confusa da aparição de Jesus Cristo subindo em uma goiabeira: “estava em cima de um pé de goiaba, ia tomar veneno, eu ia morrer. Era muita dor na alma, de todos os abusos que passei. E quando eu estava em cima do pé de goiaba eu não vi amigo imaginário, eu vi o que eu acreditava. Eu vi Jesus.”

Seria certamente o meu livro de cabeceira.

A publicação, no entanto, foi suspensa por tempo indeterminado.

“Jesus no pé de goiaba” estava em pré-venda pelo site da Editora Canadense em dezembro e custava R$ 34,90, mas os exemplares comprados nunca foram enviados. Damares Alves agora nega a autoria do livro, antes vendido como sua autobiografia, e até mandou apagar seu nome da capa.

É aquele ditado: apaga que dá tempo.

Mas se o livro foi impresso e vendido como uma autobiografia assinada pela pastora, e agora ela nega a autoria, em qual dos dois momentos ela mentiu? E não era o diabo o pai da mentira?

A assessoria de Damares informou ao jornal O Globo que o livro não é de autoria da Ministra:  “A ministra não tem livro. Esse é um livro que um senhor lançou, mas não tem ligação com a ministra. Ele colocou o nome dela, mas esse livro não pertence a ela, não foi escrito por ela. Foi uma biografia que ele fez por conta própria, mas não é um livro dela”

Ah, tá.

Então ela mentiu quando assinou um livro que não escreveu, ou quando escreveu um livro que não assinou? Mas não era o diabo o pai da mentira?

Depois que o vídeo viralizou e a Ministra foi ridicularizada pela história sem nexo de Jesus no pé de goiaba, ela afirmou que a história ocorrera por conta dos abusos sexuais que sofria na infância por parte de pastores da igreja onde congregava.

Não seria mais fácil dizer que desistiu da publicação do livro porque já não quer ser ridicularizada e exposta? Não seria, digo, mais respeitoso com seu público?

Sinceridade não é muito o forte da pastora: prefere apagar seu nome da capa do livro, negar tudo e se fazer de doida.

Mauri Filho, o dono da Editora, entretanto, ainda garante que Jesus no pé de goiaba será lançado em breve:

“Como todos sabem, a dra. Damares Alves tornou-se Ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. Por esse motivo, a assessoria jurídica do Ministério dos Direitos Humanos nos solicitou aguardar mais alguns dias enquanto eles realizam a atualização necessária referente à nova posição exercida pela dra. Damares”.

O Globo chegou a perguntar a Mauri se o livro era ou não de autoria de Damares. “Só respondo por e-mail.” E nunca mais respondeu.

Risos.

Não é muito ético colocar um livro em pré-venda e depois desistir de publicá-lo, mas, em todo caso, é o melhor que tem a fazer a pastora-ministra: negar que disse ter visto Jesus no pé de goiaba e sumir com as provas.

Preciso muito de “Jesus no pé de goiaba” na minha coleção de relíquias dos micões direitistas junto com um livro de Olavão e um pato de borracha. Mauri, conto contigo.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!