O drama da desigualdade segundo o Nobel de Economia de 2013

Schiller
Schiller

Um momento de atenção para Robert Schiller, americano de 67 anos, Nobel da Economia de 2013.

“As pessoas precisam reconhecer que o país pertence ao povo, e não a uma minoria. E nós temos que evitar que algumas pessoas desenvolvam um sentimento de posse sobre o país. Anos atrás eu escrevi que cada país deve ter um plano do que fazer caso a desigualdade piore. Esse plano deveria consistir em efetivamente aumentar os impostos para os mais ricos no futuro. Nós deveríamos costurar esse plano agora, e não esperar que a desigualdade piore, senão será muito mais difícil de corrigir. Eu me preocupo que nos próximos dez, 20, 30 anos o mundo esteja muito mais desigual. E a principal esperança será que os governos do mundo, juntos, elevem os impostos dos mais ricos. Não é para impedi-los de serem ricos, e sim para pôr limites, para não ficar muito maluco.”

Clap, clap, clap.

Schiller disse aquilo numa entrevista recente à Exame. Acadêmico, professor de Yale, ele se celebrizou com o livro “Exuberância Irracional”, de 2 000, no qual falou da falta de lógica do mercado de ações americano.

Mais tarde, em meados dos anos 2 000, adquiriu ares de profeta quando vaticinou a crise do mercado imobiliário americano, cujas repercussões são sentidas em todo o mundo até hoje.

Na origem da crise estavam bancos e banqueiros gananciosos que em busca de lucros e bônus imediatos emprestavam dinheiro para compradores de imóveis sem cuidado nenhum. O resultado foi um calote formidável em forma de dominó. Isso derrubou bancos e economias mundo afora.

Mas o que o DCM quer destacar em Schiller é sua visão sobre a questão da desigualdade social.

Ele vive este pesadelo em sua terra natal, os Estados Unidos. E os brasileiros enfrentam o mesmo drama há muitos anos – séculos, para alguns.

É verdade que existe uma diferença a favor do Brasil: aqui, a concentração se reduziu nos anos mais recentes. Lá, aumentou extraordinariamente.

Mas o Brasil ainda tem um longo caminho a percorrer para se tornar uma sociedade justa.

Às vésperas de um ano eleitoral, todos os candidatos de 2014 deveriam ter presentes as palavras de Robert Schiller. Neste sentido, foi particularmente desanimador ver que um deles, Serra, num artigo  há poucos dias no Estadão, enumerou oito desafios do futuro presidente e conseguiu não citar a iniquidade. Repito: oito.

Cobrar mais impostos dos mais ricos é sempre uma tarefa formidável: eles detêm o poder, e são frequentemente acometidos do que um outro grande economista americano chamou de “ganância infecciosa”.

Mas a desigualdade não cresce indefinidamente sem o risco de rupturas sociais que podem cobrar um preço elevado dos mais ricos. A Revolução Francesa é apenas o exemplo mais vistoso, mas está longe de ser o único.

Podemos traduzir as palavras de Schiller, localmente, por um chamamento a um ‘Brasil Escandinavo’.

É esta a maior causa do DCM.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!