O efeito do massacre das crianças em Wall Street

Um fundo de capital privado vende sua participação no maior fabricante de armas americano

O mercado de ações americano parece ter sentido os efeitos do massacre em Newtown e a necessidade do controle de armas. Os dois únicos fabricantes de capital aberto viram suas ações despencar na Bolsa desde sexta-feira, quando Adam Lanza executou 26 pessoas e depois se matou na escola de Newtown. Recentemente, especialistas achavam que esse mercado era uma boa aposta. Segundo a revista de economia e negócios Forbes, era “um mercado em crescimento”.

O sinal mais forte de que algo aparentemente mudou foi que a Cerberus, um fundo de capital privado, anunciou que pretende vender sua participação no Freedom Group, holding que tem no portifólio a Bushmaster, produtora do rifle usado por Lanza, entre outros. Fundos como o Cerberus têm um histórico de investir nas chamadas “sin companies” – álcool, tabaco etc. Martin Feinberg, pai do CEO da Cerberus, Stephen Feinberg, mora em Newtown.

A pressão partiu de fundos de pensão de bombeiros, professores, policiais. O California State Teachers ‘Retirement System (CalSTRS), segundo maior fundo de pensão dos Estados Unidos, havia ameaçado retirar seus 751 milhões de dólares caso essa medida não fosse tomada. Eis o comunicado oficial da Cerberus:

“Ficamos chocados e profundamente tristes com os acontecimentos que tiveram lugar na Escola de Sandy Hook, CT, em 14 de dezembro de 2012. Nós não podemos compreender as perdas sofridas pelas famílias e amigos dos mortos pelos crimes impensáveis ​​cometidos naquele dia. Não há palavras ou ações capazes de diminuir a enormidade deste evento ou mitigar a dor que foi infligida a tantos.

Em 2006, afiliadas da Cerberus Capital Management fizeram um investimento financeiro no Freedom Group. O Freedom Group não vende armas ou munições diretamente aos consumidores através de feiras de armas ou outros meios. As vendas são realizadas apenas para revendedores e distribuidores de armas de fogo licenciados, de acordo com as leis e regulamentos aplicáveis. Nós não acreditamos que o Freedom Group ou qualquer empresa ou indivíduo possa prevenir a violência sem sentido, o uso ilegal ou a aquisição de armas de fogo e munições.

Armas à venda no Wallmart

É evidente que a tragédia de Sandy Hook foi um divisor de águas que tem suscitado o debate nacional sobre o controle de armas a um nível sem precedentes. O debate se concentra essencialmente no equilíbrio entre a segurança pública e o alcance dos direitos constitucionais sob a Segunda Emenda. Como uma empresa, somos investidores e não políticos. Nosso papel é fazer investimentos em nome de nossos clientes, que são compostos de planos de pensão de bombeiros, professores, policiais e outros trabalhadores municipais, além de sindicatos, fundações e outras instituições e indivíduos. Não é o nosso papel tomar posições, ou tentar moldar ou influenciar o debate sobre o controle político das armas. Esse é o trabalho de nossos legisladores federais e estaduais.

Há, no entanto, ações que nós, como uma empresa, podemos tomar. Dessa forma, estamos determinados a proceder imediatamente a um processo formal para vender a nossa participação no Freedom Group. Teremos um consultor financeiro para projetar e executar o processo de venda de nossas ações no Freedom Group, e o capital irá retornar aos nossos investidores. Acreditamos que esta decisão nos permitirá cumprir nossas obrigações para com os investidores cujos interesses nos foram confiados, sem ser arrastados para o debate nacional, que é mais apropriado àqueles com responsabilidade pública para isso.

Nossos pensamentos e orações estão com as famílias e as comunidades afetadas por este acontecimento trágico e devastador.”

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!