O “Estadão”, Cantanhêde e seu estilo “Gilmar Mendes”. Por Fernando Brito

Texto publicado no site Tijolaço

Por Fernando Brito.

É como com Gilmar Mendes: mesmo quando conseguem ter uma atitude correta, o “Estadão”, em editorial, e Eliane Cantanhêde, em sua coluna, destilam o ódio que não cabe dentro de si mesmos.

A atitude “sem noção” da ministra Luislinda Valois, com a qual não há quem, de bom senso, compactue, é transformada numa oportunidade de sacudirem preconceitos e associar o ato idiota que ela praticou à sua condição de negra, mesmo dizendo que não.

É a negação que afirma, como aquela famosa desculpa do “até tenho amigos negros”.

Quando foi Gilmar Mendes quem disse que a condição de ministro era “trabalho escravo”, observou-se o mesmo silêncio que a D. Luislinda teve diante da portaria que “flexibilizava” seu combate.

O “problema” de D. Luislinda não é ser negra, nem ser mulher, nem “ter olho grande”.

O problema é ser ministra.

E por isso, sujeita a que se compare o que faz com o que não faz, do jeito com que escreve, com argumentos e leveza, Bernardo de Mello Franco, na Folha.

A ministra sem noção

Bernardo de Mello Franco, na Folha

Existem os ministros insensatos, existem os ministros sem noção e existe a ministra Luislinda Valois. Titular dos Direitos Humanos, ela apresentou um pedido inusitado. Queria furar a regra do teto constitucional para acumular vencimentos e receber R$ 61,4 mil por mês.

Como ex-desembargadora, Luislinda tem direito a uma aposentadoria de R$ 30,4 mil brutos, paga pelo Tribunal de Justiça da Bahia. O cargo que ela ocupa no governo oferece salário de R$ 30,9 mil brutos.

A Constituição estabelece que nenhum servidor pode receber mais do que o subsídio dos ministros do Supremo. Por isso, o contracheque da ministra é mordido pelo chamado abate-teto. Nos últimos meses, o desconto foi de R$ 27,6 mil.

Somando a fatia intocada do salário à generosa aposentadoria do Judiciário, Luislinda ainda recebe R$ 33,7 mil brutos. É o suficiente para garantir seu lugar no topo da pirâmide social brasileira. Segundo a PNAD, o rendimento médio domiciliar no país é de R$ 1.226.

Mesmo assim, a ministra se considera desafortunada. No requerimento revelado pelo jornal “O Estado de S. Paulo”, ela se queixou do corte e afirmou que sua situação “se assemelha ao trabalho escravo”.

Filiada ao PSDB, Luislinda passou o Dia de Finados tentando defender o indefensável. “O Brasil está sendo justo comigo?”, questionou à Rádio Gaúcha. “Como é que eu vou comer? Como é que vou beber? Como é que vou calçar?”, prosseguiu, em protesto contra o abate-teto.

À CBN a tucana argumentou que é obrigada a “se apresentar trajada dignamente”. “É cabelo, é maquiagem, é perfume, é roupa, é sapato, é alimentação. Se eu não me alimentar, eu vou adoecer e aí vou dar trabalho para o Estado”, disse.

Num governo insensível às minorias, a ministra dos Direitos Humanos era criticada por permanecer quase todo o tempo em silêncio. Pelo que se ouviu no feriado, seria melhor que ela continuasse assim.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!