O estranho caso do game em que os heróis são militantes de extrema direita. Por Pedro Zambarda

Chose de loc
Chose de loc

 

Alexandre “Alex Roger” Rodrigues de Carvalho tem 34 anos e é morador de Vila Velha,no Espírito Santo. Vai passar uma temporada em Orlando, na Flórida, para criar seu segundo game antipetista. Em 4 de novembro, ele anunciou a campanha de crowdfunding para o jogo KorruPTus 2 – Operação Petrobras e quer arrecadar R$ 45 mil, pelo site Catarse, para executar o projeto focado para smartphones com sistemas iOS e Android.

Diretor da desenvolvedora AGW, Alex Roger lançou em agosto de 2014 o primeiro game KorruPTus com Dilma Rousseff, José Dirceu e Lula representando inimigos piratas que estão roubando o Brasil para ajudar Cuba. Para ele, a ideia era justamente passar a mensagem de que as pessoas não podiam votar novamente no Partido dos Trabalhadores durante as eleições presidenciais. Dilma foi reeleita naquele ano.

O desenvolvedor elencou como heróis o ex-juiz do STF Joaquim Barbosa, o deputado Jair Bolsonaro, a jornalista Rachel Sheherazade e até os black blocs. Ele disse que fez o game inspirado pelas Jornadas de Junho de 2013.

Agora resolveu fazer um game baseado na operação Lava Jato. Os novos heróis são o juiz Sérgio Moro, o militante Kim Kataguiri do Movimento Brasil Livre, João Revolta da TV Revolta e Marcelo Reis da fanpage de Facebook Revoltados On-Line. Fernando Henrique Cardoso também será um personagem do bem. A ideia do jogo é derrotar os petistas para supostamente combater a corrupção.

No ano passado, o game vendido a US$ 2 se tornou um dos 20 aplicativos mais baixados na App Store da Apple, o que certamente rendeu dinheiro para Alex Roger.

Agora, com KorruPTus 2, ele pretende destinar parte da arrecadação do crowdfunding para financiar os acampamentos do Kim Kataguiri pró-impeachment em Brasília, fazendo militância política.

O DCM foi conversar com Alex Roger para tentar entender qual é a desse jogo antipetista. Ele afirma que o videogame não teve financiamento de partidos políticos, mas admite que quer ajudar movimentos que tentam derrubar Dilma Rousseff do poder.

Como foi o desempenho do primeiro KorruPTus? 

A repercussão foi muito grande e ele chegou em 14º lugar na App Store quando seu vídeo foi produzido, há seis meses. O game ficou no top 1 encabeçando a categoria Games> Educacional por três meses. Hoje ele ainda está nos top 30 na mesma categoria na loja da Apple brasileira.

Kim Kataguiri, os Revoltados On-Line e outros movimentos pró-impeachment vieram te procurar para você fazer uma continuação do game ou você teve a ideia?

Nenhum grupo participou da criação do jogo, porque o projeto Operação Petrobras foi desenhado antes desses grupos. Eu fiz sim um contato com o Kim para pedir permissão do uso da imagem dele como herói. Ele me respondeu com carinho, dizendo exatamente o seguinte: “Adoro jogos e você tem toda a liberdade para usar a minha imagem nele”.

Como vai funcionar a taxa de 70% dos R$ 45 mil de crowdfunding para os acampamentos de protestos pró-impeachment?

Da distribuição dos 100% arrecadado no Catarse, 13% é a comissão do sistema, 17% para os prémios e 70% será destinado a metade para produção do mesmo e outra metade para o acampamento pró-impeachment.

Eu vi um vídeo do Marcello Reis no Facebook chamando a população para ajudar no acampamento, e imaginei o quanto está sendo difícil para eles. Então tive essa ideia, sem pedir permissão ou fazer qualquer comunicado. Eu fui lá e simplesmente fiz. Acredito que eles não fazem ideia de quem sou eu, e não me importo com isso!

Neste novo jogo, você diz que pretende utilizar o nome real dos políticos petistas acusados de corrupção e nem vai disfarçá-los. Você não teme processos judiciais?

Mesmo sem motivo, processos podem acontecer. É evidente que uma parte pode se sentir agredida nessa história e a democracia me permite fazer o que eu quiser aguentando as consequências. Mas não me impedirá de lançar o jogo, porque eu esperei esse momento para lançar o jogo e falo dele há quase um ano. Antes não existia nenhum político julgado e condenado no caso da Petrobras, agora existe e quem julgou não fui eu.

Mesmo se o político devolveu dinheiro roubado, agora eu posso chamá-lo de corrupto! Não é um julgamento meu e nem uma posição minha, porque a justiça o classificou assim e o condenou.

Você não acha que o KorruPTus é um jogo muito doutrinário politicamente? Pergunto isso porque parece que é uma forma de financiar os movimentos políticos anti-Dilma…

Ele não doutrina, ele apenas diverte e promove a discussão, assim como um vídeo do Porta dos Fundos quando fala de política. É utilizar a comédia não para informar, mas promover a discussão do tema. Essa foi a ideia do meu projeto. Tanto que a visão do que é vilão ou herói foi tirada dos discussões promovidas nas redes sociais.

Como será feita a crítica à Petrobras? Teremos os delatores Paulo Roberto Costa, Nestor Cerveró?

O jogo não terá criticas à Petrobras porque a empresa não cometeu nenhum crime. Só será mostrado o valor de mercado que perdeu em relação às investigações e a influencia do dólar. O cenário será em uma plataforma também, apenas como ilustração.

O partido de Jair Bolsonaro, o PP, foi um dos que mais ganhou propina da Petrobras, segundo a apuração da Polícia Federal. Ele ainda será um herói em KorruPTus?

O partido não cometeu nenhum crime, só alguns políticos que o compõem que sim. Na opinião da maioria das pessoas nas redes sociais ele é um herói, e estará nessa versão do jogo. Isso será ainda mais enfatizado.

Aécio Neves será um herói neste segundo game?

Isso ainda não está definido, porque ele já foi colocado e tirado diversas vezes no desenvolvimento.

Geraldo Alckmin é acusado de ter agravado a crise hídrica da Sabesp em São Paulo. Ele estará no game? Será herói?

Não definimos, pois o tema do jogo faz referencia a corrupção e não a má gestão. Quando o tema da seca da Sabesp teve notoriedade, cogitamos a possibilidade de fazer uma crítica superficial. Agora descartamos a ideia.

E José Serra e Fernando Henrique Cardoso? Qual será o papel dos dois no KorruPTus?

Fernando Henrique Cardoso será herói no jogo! Já o José Serra não foi nem considerado.

O valor de R$ 45 mil no crowdfunding é uma brincadeira com o número do PSDB?

Não e eu até me espantei com quando vi essa pergunta.  Esse valor é dos custos necessários para criar o game, apenas.

Eduardo Cunha será herói ou vilão no novo game?

Ele será parte da discussão que o jogo vai promover. O personagem dele pode estar em cima do muro no jogo. Cunha seria herói que tiraria proveito dos heróis.

Michel Temer é um vilão mais uma vez ou pode se tornar herói contra Dilma?

Talvez ele tenha uma passagem coadjuvante, assim como o papel dele no governo.

Desenvolver games é uma forma de derrubar o governo Dilma?

Quem me dera se pudesse derrubar. Mas é só um jogo e não derrubaria um mosca se fosse o caso. Eu tenho sim o meu lado na política e ele é anti-Dilma!

Por que o jogo será feito em Orlando, na Flórida e dentro dos Estados Unidos, e não no Brasil? 

Eu moro nos EUA há quase um ano e tenho outros negócios aqui.  A Central Flórida de Orlando é um polo de criação de games no mundo e tem seis grandes faculdades. Uma das maiores do setor, a Full Sail, fica aqui e é dona da Rede RedZero no Brasil.  Minha empresa AGW Global foi responsável pelo projeto “Make a Pixel”, que ensina crianças de seis a 12 anos a criarem jogos digitais, e hoje eu invisto no segmento de educação nesse espaço.

O que te atrai mais: ganhar dinheiro ou se expressar politicamente com o KorruPTus?

É a política que me atrai nele, mas o dinheiro veio mesmo sem ser o alvo. Eu também ganho em outros negócios.

 

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!