O ‘fatiamento’ da Lava Jato é o começo do fim de Moro como heroi da direita. Por Kiko Nogueira

#Xatiado
#Xatiado

 

O “fatiamento” da Lava Jato está resultando num chororô sem fim da direita brasileira, enquanto os protagonistas da operação vêem seu status de heróis da pátria ameaçados.

A decisão do Supremo, por 8 votos a 2, deu-se por causa do possível envolvimento de Gleise Hoffmann numa fraude no Ministério do Planejamento.

O ministro Teori Zavascki, responsável pela Lava Jato no STF, afirmou que só poderia se manifestar nos casos diretamente ligados ao escândalo da Petrobras, origem das investigações — foi em Curitiba que tudo começou, com o doleiro Alberto Youssef. Sergio moro é o titular da 13.ª Vara Criminal da Justiça Federal da capital paranaense.

No almoço-debate em que deu uma palestra — organizado pelo pré-candidato à prefeitura paulistana pelo PSDB, João Doria Jr —, Moro evitou comentar o parecer, mas disse temer que a Lava Jato “caia no esquecimento”.

Ora, por que cairia? Se Moro tem fé nas instituições, isso não deveria causar preocupação. Se não tem, o problema é mais grave.

Sua força-tarefa foi mais vocal. Em Nova York, onde participa de uma premiação chamada Global Investigations Review (GIR) com mais dois colegas (quem pagou a conta?), Deltan Dallagnol foi explícito.

“Nós discordamos tecnicamente dessa notícia. Nós estamos convictos de que a competência nesse caso era nossa, nós pretendemos nos próximos casos deixar isso mais claro” afirmou. “Mas devemos ser flexíveis e nos adaptar e continuar lutando, nos reerguer e continuar contribuindo junto com outros juízes para construir um país mais justo, com menos corrupção e menos impunidade”.

Dallagnol, para refrescar sua memória, é aquele procurador que fez uma peroração sobre a corrupção numa igreja batista no Rio de Janeiro. Na ocasião, mandou ver: “Dentro da minha cosmovisão cristã, eu acredito que existe uma janela de oportunidade que Deus está dando para mudanças”.

O pessoal que vinha incensando a turma de Sergio Moro não tem coração. Joaquim Barbosa, o menino pobre que mudou o Brasil (rs), é uma lembrança dolorosa. O “Batman” do mensalão hoje é acossado nas redes sociais por seus antigos admiradores.

Sabe-se lá o que está engendrado na cosmovisão de Dallagnol, mas o receio que ele e o chefe têm é de que, a partir de agora, sumam os holofotes.

Menos congressos, menos matérias laudatórias, menos viagens, menos entrevistas, menos cachês, menos premiações de homens do ano etc. Sobra um choro antidemocrático.

 

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!