O filme errado na hora errada: como entender o que aconteceu nas últimas horas na Líbia e no Egito

Cena do ataque ao consulado americano em Bengazi, na Líbia

O que leva alguém a fazer um filme que ridiculariza Maomé e o islamismo num momento destes?

Esta é a pergunta-chave sobre os lastimáveis incidentes ocorridos nas últimas horas na Líbia e no Egito, países em que multidões de muçulmanos atacaram representações diplomáticas americanas. Informações oficiais da Líbia dão conta de que o embaixador americano no país, Christopher Stevens, foi morto – algo que vai provocar um extraordinário barulho e gerar ainda mais inquietação e violência num pedaço do mundo já bem inquieto e violento. Outros três americanos teriam também morrido no  ataque.

No Egito, pelo menos até aqui, não há registro de mortes. A maior baixa para os americanos foi simbólica. Manifestantes trocaram no Cairo a bandeira a meio pau americana na embaixada, por conta do 11 de Setembro, por outra negra.

Vi trechos do filme no YouTube. É um filme absurdamente ofensivo e pateticamente ruim. Em outras circunstâncias, passaria em branco e iria rapidamente para o lixo. Mas não agora. Uma emissora árabe passou o trailer, dublado. Foi quando o drama se iniciou.

O diretor é um americano chamado Sam Becile,52 anos, que se autoproclama judeu americano. O produtor é um pastor, Terry Jones, que, recentemente, provocou confusão ao queimar exemplares do Corão. O filme, segundo Becile, custou 5 milhões de dólares, e teria sido bancado por integrantes da comunidade judaica americana.

Ele fugiu. Por telefone, de um destino ignorado, falou com a agência de notícias Associated Press. Disse que o islamismo é o “câncer do mundo”, e atribuiu o sangue que correu na Líbia à “falta de segurança” no consulado americano.

O duplo ataque imediatamente entrou na agenda eleitoral americana, às vésperas das eleições presidenciais de novembro. Os republicanos, a começar por Mitt Romney, criticam Obama por não reagir com “firmeza” – seja lá o que isso signifique. Os democratas criticam Romney por fazer uso eleitoreiro dos incidentes. É um duelo de cinismo e de insensatez.

A predadora política externa americana no Oriente Médio está na raiz dos acontecimentos no Egito e na Líbia. Enquanto ela não mudar, bombas, infelizmente, explodirão numa quantidade cada vez maior.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!