O governo Bolsonaro quer criar um país de ignorantes à sua semelhança. Por Carlos Fernandes

Jair Bolsonaro e Ricardo Vélez Rodríguez. Foto: Agência Brasil

É definitivamente estarrecedora a entrevista concedida pelo ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodriguez, ao jornal Valor Econômico.

Numa clara investida contra todos os avanços acadêmicos e pela democratização do ensino público superior alcançados em treze anos de governos progressistas, Rodriguez prepara um contra-ataque aos milhões de jovens que finalmente conseguiram ter acesso às universidades via políticas afirmativas de inclusão social.

Sob o perverso e excludente argumento de que “a ideia de universidade para todos não existe”, o atual governo busca construir uma nação em que a arte do livre pensar, o questionamento crítico e a produção de conhecimentos teóricos e científicos sejam bens comuns apenas ao que ele chama de “elite intelectual”.

Toda a massa de não eleitos, ainda segundo o seu brilhante raciocínio, seria destinada tão somente a cursos técnicos de média ou baixa complexidade capazes de atender tão somente as vagas de trabalho no mercado que exigem menor capacidade intelectual e, porque não dizer, maior atividade braçal.

É, trocando em miúdos, o Estado aplicando todos os seus esforços para que todo o conhecimento científico produzido nas universidades públicas – das quais todos nós custeamos – permaneça exclusivamente nas mãos daqueles que habitam o topo de nossa vergonhosa pirâmide social.

Ainda mais a fundo, a investida do Ministério da Educação contra uma universidade pública, gratuita e de qualidade que sirva e atenda a todos os brasileiros sem qualquer distinção de raça, cor, etnia, gênero, classe social ou orientação sexual, garante a primazia de um pequeno grupo de privilegiados ao custo da negação do sagrado direito do saber a milhões e milhões de cidadãos que não tiveram a “sorte” de nascer em berços esplêndidos.

É, em última análise, a garantia do aprofundamento da desigualdade social que, por sua vez, possibilita ad infinitum a exploração laboral de uma massa de excluídos cuja única serventia, na tese esdrúxula dessa gente, é tão somente a de servir, via salários miseráveis, os grandes “meritocratas” do sistema capitalista.

Não é só uma medida irresponsável e elitista, é, por definição, desumana.

Negar a milhões de seres humanos a busca pela melhoria da própria vida através de seus próprios esforços é contribuir para um estado de coisas em que o bem-estar social simplesmente inexiste e cujos principais cargos e funções da sociedade é dado a apenas alguns escolhidos quase como por direito divino.

É a idade média pedindo passagem em pleno século XXI.

E para que ninguém diga que não me esforço por enxergar algum sentido minimamente racional nessa sucessão infindável de trapalhadas e desajustes patrocinados por esse arremedo de governo, penso, sinceramente, que existe alguma empatia nessa medida em particular.

Afinal, numa esquadra em que gente como Damares Alves, Ernesto Araújo e o próprio Ricardo Vélez Rodriguez são liderados por sumidades como Jair Bolsonaro e Hamilton Mourão, o que se pretende, talvez, pode ser a construção de um país de ignorantes às suas semelhanças.

Charles Darwin, que propôs a teoria da evolução por meio da seleção natural, revira-se no túmulo ao perceber que nessas terras bananeiras, curiosamente, os mais fracos, inaptos e incompetentes estão vencendo a luta pela sobrevivência.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!