O impacto das propinas nas eleições para governador de SP

O escândalo do metrô vai ser um assunto indigesto para Alckmin  em sua campanha
O escândalo do metrô vai ser um assunto indigesto para Alckmin em sua campanha

E então aparece um nome graúdo do PSDB no caso das propinas da Alstom: Andrea Matarazzo.

A Polícia Federal indiciou Matarazzo, segundo a Folha.

Andrea Matarazzo, hoje vereador pelo PSDB de São Paulo, ocupou posições importantes sob a presidência de FHC e nos governos de Serra e Alckmin.

Ele nega, e seria de estranhar que admitisse.

Agora finalmente a mamata parece que chegou ao fim, e também a impunidade abjeta que a marcou.

Depois de anos de corrupção milionária admitida pelos corruptores de multinacionais como Siemens e Alston, e não investigada nem pela justiça e nem pela mídia brasileira, os fatos emergem, sob a pressão da opinião pública que encontrou na internet uma forma de se manifestar.

Andrea Matarazzo em dias mais festivos
Andrea Matarazzo em dias mais festivos

O escândalo das propinas do metrô é uma tragédia para a imagem do PSDB, da justiça e da mídia.

Como, diante de tantas evidências fornecidas pelas próprias empresas, nada foi feito?

As primeiras denúncias fundamentadas são de 2008. Cinco anos depois, não fosse a própria Siemens admitir a formação de um cartel para ganhar licitações do metrô, tudo estaria do mesmo jeito.

Serra chegou a dizer que as denúncias eram “coisa do PT”, e a imprensa se limitou a publicar isso em vez de fazer a lição de casa.

É horripilante que Robson Marinho – uma espécie de braço direito de Covas – esteja ainda hoje no Tribunal de Contas do Estado, pelo qual é pago (20 000 reais por mês) para, pausa para risada, fiscalizar contas.

Onde estava a defesa do interesse público pela mídia?

Há uma lógica estranha nas redações das grandes corporações: corrupção é nada se envolve os amigos e tudo se diz respeito aos outros.

Quanto o caso pode minar a candidatura de Alckmin a um novo mandato em 2014 está em aberto.

Mas os paulistas terão uma excelente chance de mostrar que querem uma forma nova de fazer política.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!