O improvável brasileiro que se deu bem jogando baseball

André Rienzo, arremessador do Chicago White Sox, contou para nós como é a sua vida na MLB, a liga americana de baseball.

André Rienzo faz um arremesso nos EUA
André Rienzo faz um arremesso nos EUA

Histórias de jogadores de futebol há aos montes no Brasil. Entre jogadores de mais ou menos sucesso jogando em times de maior ou menor expressão, você consegue montar um almanaque na casa do milhar.

Se você for buscar jogadores de vôlei, também não terá dificuldades para encontrar. Nem de basquete. Até mesmo no tênis, na era pós-Guga, você encontra boas histórias. Mas e no baseball?

Bem, o El Hombre, nosso parceiro, descobriu um jogador brasileiro que não apenas joga baseball profissionalmente, mas que faz parte de um time dos maiores da liga americana, o Chicago White Sox. Seria mais ou menos como se ele jogasse em um time como o Corinthians ou o São Paulo no Brasil. Seu nome é André Rienzo, e ele conta um pouco de sua história logo abaixo.

Como foi o seu início no beisebol?

Minha mãe tinha três filhos homens e ela era sozinha para educar todos. Então ela resolveu colocar a gente no beisebol que é de uma colônia japonesa muito regrada e educada. Eu com os meus dois irmãos comecei no beisebol com quatro anos de idade. No começo eu ia meio forçado porque era obrigado a ir. Foi assim que começou meu caminho e hoje tem mais de 20 anos que pratico beisebol pelo Brasil.

Como foi parar nos EUA?

Joguei aqui no Brasil e morei um ano e meio na academia em Ibiúna, que é o centro de formação de jogadores de beisebol do Brasil. Aprendi muito, cresci demais no esporte e como pessoa. E enquanto estava lá teve o interesse do Seattle Mariners, que queria me levar quando estava terminando o terceiro colegial. Meu pai não aceitou, porque ele disse que antes teria que terminar os estudos. Aí quando eu terminei o terceiro colegial o interesse deu uma dispersada, porque tinham contratado outro jogador. Aí veio o interesse do White Sox e deu certo. Eles me contrataram e em 2007 eu estava na Republica Dominicana jogando por este que é meu clube atualmente.

Antes da MLB tiveram algumas longas etapas…

Coloca longa nisso! [rs] Foram sete etapas. A primeiro foi a República Dominicana e depois mais seis ligas inferiores. É difícil chegar no topo. Hoje eu agradeço por ter conseguido. No meu primeiro ano eram 30 atletas por quarto, cada um de um lugar do mundo. Foi uma experiência de vida.

Já está no topo. Agora é tranquilo?

Que nada. Agora é tão difícil quanto no começo. Tive a abertura de uma porta, mostrei quem eu sou, a qualidade que eu tenho no beisebol e o que posso evoluir. Mas a cada ano é um novo desafio porque é preciso garantir a vaga.

Como é ser um jogador no Brasil?

Quem quer fazer do esporte uma profissão aqui no Brasil já começou errado. A gente joga porque ama o esporte e no começo tirávamos dinheiro do nosso bolso para jogar. Aqui no Brasil é preciso pagar para começar. Então tem que gostar muito.

Para o brasileiro é ainda mais difícil, não é?

Para a gente chegar é ainda mais difícil que qualquer outro. Lá eles, em forma de brincadeira, fazem um deboche, entre aspas. Pedem para que a gente pegue a bola e faça embaixadinhas. É uma forma, mais simples, de perguntar o que eu estou fazendo lá já que no meu país não tem gente boa no beisebol. Temos que passar por cima disso também para jogar.

Só você e o Yan Gomes conseguiram chegar à MLB. Qual o tamanho da satisfação?

É uma emoção muito grande. No primeiro jogo sabia que não podia olhar para a torcida, caso contrário, perderia o foco porque é uma emoção muito grande. O coração estava acelerado. Vieram lágrimas de alegria e de satisfação por tudo que passei. Tenho certeza que outros brasileiros aparecerão para fazer companhia para a gente e assim colocarmos o Brasil no mapa do beisebol mundial.

Por fim, e o teu futuro na MLB?

É chegar agora na pré-temporada da melhor maneira possível. Eu começo a pré-temporada com chances de ficar e também de estar fora. É manter o que eu estava fazendo e esperar a decisão dos chefões. Se eles me mandarem para a categoria de baixo, vou respeitar. Mas vou lutar até o fim para não deixar isso acontecer.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!